Fenômeno digital, iFood se expande para além das telas

coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Fenômeno digital, iFood se expande para além das telas

Prédio passa por renovação, ganha espaço de convivência e abriga a sede do aplicativo

Pedro Rubens Santos, Especial para O Estado, São Paulo

29 de agosto de 2019 | 11h33

Quem frequenta o escritório do iFood, aplicativo que atua no ramo de entrega de refeições, sabe que a rotina por lá é dinâmica. Uma reunião de negócios, por exemplo, pode ser realizada na Sala Tapioca, enquanto cachorros desfilam pelo andar e pessoas se servem de lanches e bebidas, que estão sempre à disposição. Estações de trabalho flexíveis permitem que os funcionários sentem onde quiserem para trabalhar.

Estas ações vêm sendo implementadas há pouco mais de um ano, desde que a It’s Informov entregou as chaves de um edifício até então desativado para servir como sede da gigante de tecnologia, em Osasco, na Grande São Paulo. Um retrofit transformou o local em área de convivência e socialização. Focado na interação e na modernização de ambientes, o projeto renovou a estrutura do prédio, que abriga 1.300 foodlovers – como são chamados os funcionários. 

O iFood recebe 6 milhões de pedidos por mês – ou dois pratos de comida entregues por segundo. O crescimento exponencial de downloads do aplicativo nos últimos anos exigiu a expansão física, e a sede mudou de endereço. Já há mais de 5 milhões de usuários ativos no Brasil, Argentina, Colômbia e México.

A nova casa apresenta espaço grande e moderno. Os 12 mil m² do edifício foram reformados e ganharam novas marquises, vermelhas como o app. A inspiração veio da arquitetura dos anos 1960 e das famosas curvas criadas pelo arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer.

O objetivo, segundo a empresa responsável pela obra, era renovar a estrutura de aparência pesada e retangular. Por isso, a ideia de construir uma marquise com curvas e aliviar a fachada foi posta em prática.

“A ampliação do térreo através da marquise possibilitou áreas ao ar livre cobertas para serem utilizadas como lounges, para jogos e reuniões informais”, conta Murilo Toporcov, diretor executivo da It’s Informov. “Pensando em um pessoal jovem como o do iFood, a proposta funciona muito bem.”

As chaves foram entregues em maio de 2018, após 84 dias de obras, e, desde a inauguração, os funcionários têm experimentado dinâmicas curiosas no novo escritório. “A comida, os eventos, o pet day e demais ações têm como objetivo aproximar as pessoas. Todos desfrutam dos mesmos benefícios”, diz o diretor da companhia. Toporcov refere-se às atrações internas. Em algumas ocasiões, cachorros são convidados a conhecer o local onde seus donos trabalham. Além disso, o dia a dia e as confraternizações são regados a muita comida para os funcionários.

O novo layout do edifício, segundo o executivo, é fundamental para empresas como o iFood, ágeis em suas metodologias de trabalho. “As salas de reuniões receberam nomes de comidas que o aplicativo entrega como Feijoada, Tapioca e Pão de queijo”, afirma. 

Outra peculiaridade é o sistema flexível de locais de trabalho. No iFood, muitos funcionários não têm a própria mesa, mas possuem liberdade para sentar em qualquer estação. “Algumas áreas, como comercial e tecnologia, utilizam muito o conceito de mesas flexíveis.”

Tudo o que sabemos sobre:
iFood

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.