Divulgação
Divulgação

Ferrari vendida em leilão é o carro mais caro do mundo

Modelo NART Spider é vendido pelo equivalente a R$ 66 milhões em um leilão beneficente na Califórnia

19 de agosto de 2013 | 13h42

SÃO PAULO - Uma Ferrari conversível modelo 1967 foi vendida por US$ 27,5 milhões, o equivalente a R$ 66 milhões - considerando o câmbio atual, com o dólar a R$ 2,40.

O preço alcançado em um leilão em Monterey, na Califórnia foi o mais alto já pago por um automóvel no mundo, segundo informou a CNN.

O carro vendido no sábado foi uma Ferrari 275 GTB/4 NART Spider, que teve apenas dez unidades produzidas. O carro tem um motor V12 de 300 cavalos de potência. A identidade do comprador não foi revelada.

Gratificante. A série especial foi fabricada a pedido de um importador Luigi Chinetti, dos Estados Unidos,  que queria oferecer aos seus clientes um carro conversível para as ruas que tivesse capacidade de competir nas pistas de corrida.

Ao ser lançada, a Ferrari especial foi apresentada por uma revista especializada como "o carro esportivo mais gratificante do mundo."

O carro era originalmente pintado de azul metálico, e permaneceu até hoje na família de seu proprietário, Eddie Smith, fundador de uma empresa atacadista dos Estados Unidos.

Mercedes. O valor pago pela Ferrari chegou perto do recorde do preço pago em um leilão por um carro de corrida: US$ 30 milhões, o equivalente a R$ 72 milhões, por uma Mercedes-Benz 1954 vendida há um mês, em Londres.

Tanto a Ferrari como a Mercedes incluem uma comissão de 10% para o leiloeiro. O restante do valor pago pela Ferrari vai para uma instuição de caridade, segundo o ex-proprietário Eddie Smith Jr.

Ele ainda não anunciou qual será a instituições beneficiada. Mas explicou que decidiu vender a Ferrari para que ela pudesse ser vista e admirada.

Desde a morte de seu pai, há seis anos, o carro foi mantido em um hangar de avião. "É como se o carro tivesse sido preso", comentou. Ele resolveu vender o carro depois de ver a reação das pessoas quando o carro foi retirado do hangar para ser mostrado em um evento público.

"O que realmente me comoveu foi ver as pessoas admirando um carro que nunca haviam visto, cheguei a chorar de emoção", disse ele à CNN.

Dedução. Os leilões de caridade costumam resultar em preços mais altos de venda, devido à boa vontade que geram e porque uma parte do preço de venda para além do valor real do carro é dedutível do Imposto de Renda.

Mas, com carros de preço muito elevado, como é o caso da Ferrari, é improvável que a caridade tenha influenciado o valor, segundo o especialista McKeel Hagerty, da seguradora Hagerty Insurance.

"Com um carro como este, os compradores estão realmente focados no modelo", garantiu. Mas, o editor da revista Sports Car Market, Keith Martin, discorda. Ele acha que a conexão com a caridade faz o comprador se sentir melhor diante de uma comprar tão cara.

Um fator que contribuiu para o preço foi o estado de conservação impecável do carro. "Há Ferraris mais raras do que a NART Spider", disse ele. "Mas nenhuma mais bonita e nem tão sexy".

Tudo o que sabemos sobre:
Ferrari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.