Festival de Cannes terá mudanças

Maior evento publicitário do mundo apresenta novas categorias este ano

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

14 de janeiro de 2008 | 00h00

A 55ª edição do Festival Internacional de Publicidade de Cannes, que acontecerá entre 15 e 21 de junho na Riviera Francesa, deu largada no último dia 10, com a abertura das inscrições para os delegados que movimentam o maior encontro do meio publicitário mundial. No ano passado, passaram pelo evento cerca de 9 mil profissionais de 85 países. A expectativa para este ano é semelhante.Entre as novidades da programação para 2008 estão desde a introdução de Design como uma nova categoria, com direito aos troféus em forma de Leões, até a confirmação, como palestrante, do magnata das comunicações Rupert Murdoch, dono da News Corp., que recentemente adquiriu o americano Wall Street Journal, um dos mais respeitados jornais de economia do mundo. Na edição anterior, o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, foi a estrela do evento, com sua cruzada em prol do meio ambiente.O festival também se adapta aos novos tempos digitais com a criação de uma subcategoria na mais prestigiada das premiações, a de filmes, que contempla os comerciais criados para televisão e que deu origem à premiação na década de 50. Cannes 2008 vai contemplar também os filmes criados para outras plataformas. "No ano passado, a campanha que se sagrou vitoriosa (o filme viral da Unilever para a linha Dove, visto no YouTube, e que conquistou a categoria máxima, o Grand Prix de Filmes) foi criada para a internet, mas teve de ser veiculada uma vez na televisão para poder concorrer", lembra Marcello Serpa, sócio e diretor de criação da AlmapBBDO .Para Serpa, o crescimento de outros suportes, como o próprio YouTube, não pode mais ser deixado em segundo plano. Basta lembrar que a Rainha Elizabeth II, usou a internet para dar a sua tradicional mensagem de fim de ano aos ingleses. O fundador da Microsoft, Bill Gates anunciou, na semana passada, sua aposentadoria utilizando um divertido filmete, que também faz sucesso na web."Qualquer agência hoje em dia cria filmes para outros canais que não a televisão", diz Serpa, ao reconhecer a necessidade da premiação diferenciada. Mas, para ele, a discussão deveria ser diferente. "Há um exagero em se valorizar a plataforma, quando o que conta é o conteúdo. Os jurados vão se preocupar é com a idéia."Mas, se a subcategoria em filmes ganha apoio, a recém-criada Design chega com atraso, na opinião de Alessandra Garrido, sócia-diretora da Design Absoluto, empresa que, há cinco anos, se dedica a buscar soluções com essa ferramenta de comunicação para clientes como Unilever, Danone, Kraft e Hershey?s. "É difícil achar profissionais nessa área para contratar porque é um segmento pouco valorizado", diz. "Espero que, com o glamour de Cannes, o design ganhe impulso."Já estão definidos alguns dos presidentes dos dez júris que vão escolher os melhores trabalhos entre as mais de 25 mil peças que todos os anos são inscritas. Na categoria de projetos de Mídia, o selecionado é Dominic Proctor, que comanda a MindShare Worldwide, uma das maiores empresas de gerenciamento de investimentos em canais de comunicação. Para ele, nunca o papel desse profissional foi tão valorizado, já que definir onde e como a mensagem do anunciante deve ser veiculada tornou-se uma tarefa bem mais complexa com o avanço das tecnologias digitais.Os aparelhos móveis, como celulares, palms e tocadores de MP3 e MP4 vão se tornando parte central do comércio, do sistema de pagamento e da circulação de conteúdo na vida contemporânea, um caminho sem volta na avaliação de muitos analistas. E esses canais são mídias a serem trabalhadas. "Integrar todos eles requer profissionais mais preparados. Isso já está acontecendo e é ótimo que Cannes valorize essa tendência", diz Ângelo Frazão, diretor de Mídia da McCann Erickson.Além das premiações, Cannes também é importante para o meio publicitário por contar com uma extensa pauta de assuntos que discutem a natureza do negócio. "Ali se cria um ambiente de discussão que se tornou imprescindível para o profissional da área", diz Claudio Santos , diretor-corporativo de Publicidade do Grupo Estado. O jornal O Estado de S. Paulo é o representante oficial do festival Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.