FGTS alavanca vendas do comércio

A liberação do Fundo de Garantia doTempo de Serviço (FGTS) continua servindo de combustível para ocomércio vender mais. Pelo menos é o que indicam os números daprimeira quinzena de setembro. As vendas a prazo registraram umcrescimento de 7,2% em relação ao mesmo período do ano passado eas vendas à vista subiram 11,1%, de acordo com os serviços deconsultas de cheques e crédito operados pela AssociaçãoComercial de São Paulo (ACSP). Além do FGTS, os números estão sendo favorecidos tambémpela base de comparação, porque setembro de 2001 teve desempenhofraco em razão do racionamento de energia e dos atentadosterroristas nos EUA, de acordo com análise da ACSP. Na comparação com agosto, houve uma queda das vendas de11,8% (a prazo) e 9,5% (à vista). A retração, entretanto, ésazonal, por causa do movimento do Dia dos Pais em agosto. Se a reação se confirmar no fechamento do mês, ocomércio da capital paulista pode começar a comemorar umaligeira melhora de resultados, pois completará um trimestre devariações positivas. "Estaremos em um novo patamar", disse oeconomista da associação Emilio Alfieri. Em julho, na média dasvendas à vista e a prazo, houve uma elevação de 13% e em agosto,de 9%, em comparação aos respectivos meses de 2001. A injeção de recursos na economia por meio do FGTS estáajudando também a reduzir a inadimplência. Na primeira quinzena,o total de débitos no crediário que foram quitados cresceu 56,9%em comparação com setembro de 2001, mostrando que a populaçãoestá tentando saldar suas pendências. Este movimento já foiidentificado no fechamento dos dados de agosto, quando ainadimplência líquida atingiu o menor índice do ano (4,7%). Naprimeira quinzena, os reflexos só não foram maiores porque osregistros de atraso de pagamento também cresceram (51,2%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.