FGTS: analise se vale a pena o saque

Na hora de escolher entre retirar os recursos dos fundos ou manter a aplicação deve-se ter cuidado. Segundo a Associação Nacional de Bancos de Investimento (Anbid), o rendimento dos fundos com recursos do FGTS é, em média, de 61,48%. Se os recursos forem retirados agora dos fundos, metade do desconto seria devolvido e o rendimento seria muito menor do que o divulgado. Para Moacir Castanho, Superintendente de Fundos de Investimento do Banco Itaú, o optante pode até resolver por realizar uma parcela do lucro já auferido, se necessitar, mas, como a ação ainda tem boa projeção de ganho até agosto, ele deve manter os recursos nos fundos. O gerente de Credenciamento de Investidores Institucionais da CVM, Luís Felipe Lobianco, diz que todos os investidores poderiam optar por investir em fundos criados pelas instituições financeiras especialmente para atrair este capital proveniente do FGTS, não necessariamente aplicando na Petrobrás. Mas os bancos ainda não se manifestaram sobre esta opção, diz ele. Jorge Luiz Ávila, diretor de Recursos de Terceiros da Caixa Econômica Federal, instituição responsável por quase metade do capital aplicado neste tipo de fundo oriundo do FGTS, explica que os bancos não formam tais produtos por conta do "risco de imagem" que a instituição correria ao apostar em um rendimento superior ao desconto retirado da aplicação, mais o rendimento que esta ainda pode obter. Ávila também diz que não compensa para a instituição formar um fundo que não tenha uma forte demanda por causa dos seus encargos. "Na formação dos fundos da Petrobrás, por exemplo, a Caixa gastou R$ 4,5 milhões em divulgação apostando no retorno, nem sempre garantido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.