FGTS: bancos fecham fundos sem captação

Devido à baixa captação, algumas instituições bancárias estudam ou já decidiram fechar Fundos Mútuos de Privatização (FMP)- FGTS Carteira Livre que não tiveram captação. Esse é o caso da Caixa Econômica Federal (CEF) e do ABN Amro. Cada instituição fechou um produto. O diretor de Ativos de Terceiros da CEF, Jorge Luiz Ávila, disse que a Caixa abriu duas carteiras livres para dar opção ao cliente. "No entanto, uma delas não teve captação e foi extinta." O fundo restante está com patrimônio de aproximadamente R$ 800 mil. A política desse produto é investir de 51% a 100% em ações da Petrobras e até 49% em renda fixa. "Isso mostra que os trabalhadores querem continuar com Petrobras, só que aplicando também em títulos públicos, para ter mais segurança." Em relação ao ABN Amro, nenhum dos dois fundos FGTS carteira livre criados registrou captação até o momento. A diretora de Produtos de Asset, Elisabeth Lerner, disse que o banco já decidiu deixar apenas um à disposição dos clientes. A carteira manterá, pelo menos, 51% das aplicações em ações de alta liquidez, podendo o restante ser investido em títulos públicos federais. Elisabeth destacou que, a partir do registro concedido pela CVM, os fundos têm 90 dias para efetuar a captação. "Se isso não ocorrer, o fundo é extinto." A Sul América Investimentos admite que também pode fechar alguns dos três FMP-FGTS Carteira livre criados para receber os recursos aplicados em Petrobras. O responsável pela área de Marketing, Produtos e Informações da Sul América, Armando Bruck, disse que apenas um teve movimento até o momento. Esse produto aplica 33% em renda fixa e o restante em ações que compõem o Ibovespa. "Ainda não fechamos nenhum, mas isso pode acontecer." O Itaú pretende, por enquanto, manter os três FMP-FGTS Carteira Livre que lançou. Isso porque cada fundo é para um segmento do mercado: varejo, private e personnalité. O superintendente de Fundos de Investimento, Moacyr Castanho, disse que o movimento tem sido linear nas três carteiras. Veja mais informações nos link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.