FGTS: bancos fornecem extratos antigos

Para levantar a diferença de correção do FGTS nos planos Verão e Collor 1, o optante deve providenciar um extrato analítico que comprove que possuía saldo em conta vinculada na época desses dois planos. Isso vai permitir também que ele tenha uma idéia da quantia que deverá receber. Por enquanto, o governo não detalhou quando e de que maneira pagará essas diferenças.Como os saldos foram centralizados na Caixa Econômica Federal (CEF) somente a partir do fim de 1990, o trabalhador deve checar na carteira de trabalho o nome do banco depositário naquele período e ir a qualquer uma de suas agências. Alguns bancos pedem até 60 dias para fornecer o documento. O preço médio é R$ 3,00 por folha. O extrato deve especificar os saldos nos dias 1º de dezembro de 1988 e 2 de abril de 1990. É possível retirar extratos de bancos extintosQuem possuía conta do FGTS no antigo Bamerindus pode ir a qualquer agência do HSBC, com carteira de trabalho, RG e CPF. O custo é de R$ 2,80 por folha e o documento é entregue em até 60 dias. Os clientes do Comind devem obter informação para requerer o extrato pelo telefone (0--11) 4066-6079/6772. O pedido deve ser feito por carta e conter o nome do titular da conta e da empresa, o período de trabalho, o número da carteira profissional e o endereço para correspondência. O extrato deverá ser entregue em 40 dias. Não há custo. Optantes que tinham conta no Banco Nacional devem dirigir-se a uma agência do Unibanco, levando nome da empresa, data de admissão e demissão, agência depositária, número e série da carteira profissional e do PIS. Não há custo.Para contas em outros bancos liquidados o optante poderá ter problemas. Isso porque o Banco Central (BC) diz que é a Caixa Econômica Federal que deve informar a instituição que tem hoje os saldos e a Caixa diz que essa é uma responsabilidade do BC. O telefone do BC é 0800-992345.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.