FGTS: Caixa é a responsável, diz Ministério

O Ministério do Trabalho informou ontem, por meio de sua assessoria de imprensa, que cabe à Caixa Econômica Federal encontrar alternativas para agilizar o pagamento das diferenças das contas do FGTS. Segundo uma porta-voz do ministro Paulo Jobim, o convênio feito com a instituição prevê que as medidas para atendimento aos trabalhadores são de responsabilidade da Caixa. Além de abrir 62 postos para atendimento exclusivo do FGTS e ampliar o horário de atendimento durante a semana, agências da Caixa estão abrindo aos sábados para orientar ou efetivar o pagamento do expurgo. Mas, até agora, essas medidas não foram suficientes e as filas estão cada vez maiores na medida em que o calendário de atendimento é ampliado. Extratos incorretosOutro problema que ficou para a Caixa resolver é a explicação dos erros verificados em vários extratos de pagamento recebidos pelos metalúrgicos de São Paulo. Eles ganharam na Justiça o direito de receber os valores integrais do expurgo, sem deságio. A entidade constatou, entretanto, que em 30% dos casos analisados os valores eram inferiores aos calculados pelos índices de correção dos Planos Verão e Collor 1. A ação envolve 350 mil metalúrgicos. O presidente do sindicato, Ramiro de Jesus Pinto, disse que de um lote de 400 extratos, 120 estavam com valores menores. O Ministério Público deu prazo até o dia 20 para que a Caixa explique as diferenças. Se não for convincente, o órgão poderá exigir que todos os cálculos sejam refeitos e até mesmo pedir a suspensão do acordo feito entre governo e algumas centrais sindicais para o pagamento. A CUT não assinou o acordo e continua orientando os filiados a recorrem à Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.