FGTS: Caixa já pagou R$ 4,7 bilhões

A Caixa Econômica Federal pagou, até o dia 2 de agosto, 21,1 milhões de contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O dinheiro liberado na economia, referente à correção dos planos Verão (janeiro de 1989) e Collor 1 (abril de 1990), chegou a R$ 4,7 bilhões, beneficiando diretamente 11,7 milhões de trabalhadores. Segundo a Caixa, nestes quase três meses de liberação dos recursos, a instituição conseguiu pagar 53,8% das 39,2 milhões de contas disponíveis para saque. Só podem sacar o crédito complementar do FGTS os trabalhadores que, tendo carteira assinada na época dos planos econômicos, foram demitidos sem justa causa, se aposentaram ou são portadores de doenças graves, como aids e câncer. Os demais recebem o dinheiro na forma de crédito na conta do Fundo de Garantia.O superintendente nacional do FGTS, Joaquim Lima, disse que nesses quase três meses de pagamentos a média diária de liberação de recursos tem sido de R$ 80 milhões. No mesmo período foram realizados créditos diretos em 63,1 milhões de contas de FGTS pertencentes a 35 milhões de trabalhadores. Ao final da operação terão sido pagas 113,8 milhões de contas pertencentes a 38,8 milhões de trabalhadores, com valor total de R$ 42,4 bilhões.Até o momento a Caixa já registrou 27 milhões de termos de adesão ao acordo firmado pelo governo, que determina o pagamento parcelado do crédito complementar do FGTS. A Caixa está liberando os recursos para quem tem até R$ 1 mil a receber e também a primeira parcela de R$ 1 mil para quem tem até R$ 2 mil a receber. O pagamento para os idosos com mais de 70 anos é feito em parcela única, sem comprovação do motivo de saque. Mesma facilidade foi dada pelo governo aos trabalhadores que têm até R$ 100,00 a receber. Para conseguir pagar a todos, a Caixa estabeleceu um calendário de pagamento para quem tem até R$ 100,00 no FGTS. Este final de semana é feriado e as agências da instituição não abrirão ao público. No sábado, dia 14, poderão procurar a caixa os trabalhadores nascidos nos meses de julho e agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.