FGTS: como obter documentação

Quem possuía conta do FGTS em bancos liquidados, como Bamerindus, Comind, Econômico e Nacional, tem como pedir extrato para entrar com ação na Justiça para cobrar as diferenças de correção de 16,65%, referente ao Plano Verão (janeiro de 1989), e 44,8%, do Collor I (março de 1990). Os clientes do antigo Bamerindus podem ir a qualquer agência do HSBC, com carteira de trabalho, RG e CPF. O custo é de R$ 2,80 por folha e o documento é entregue em até 60 dias. Quem tinha conta do FGTS no Nacional pode ir a uma agência do Unibanco levando nome da empresa, data de admissão e demissão, agência depositária, número e série da carteira profissional e do PIS. Não há custo.Como não há agências do Comind para requerer o extrato, a orientação é feita pelo telefone (0--11) 4066-6079/6772. De acordo com a encarregada, Marli Piovezan, o pedido deve ser feito por carta (o endereço não foi divulgado) e conter o nome do titular da conta e da empresa, o período de trabalho, o número da carteira profissional e o endereço para correspondência. O extrato deverá ser entregue em 40 dias. Não há custo.O Banco Bilbao Vizcaya - que adquiriu o Econômico - designou a empresa terceirizada Hues Gestão Humana Especializada para fornecer esse documento. Pelo e-mail fgts@hues.com.br, o trabalhador solicita o documento fornecendo o nome e o CGC da empresa, a agência depositária (que está identificada na carteira de trabalho), a data de admissão e demissão, o número e a série da carteira profissional , o número do PIS e o endereço de referência. Existe ainda a opção de enviar esses dados pelo fax (0--71) 341-1666. Quando o documento estiver pronto, um funcionário entrará em contato com o optante. Ele precisa, então, ir a uma agência do Banco do Brasil e depositar R$ 7,00 na agência 0346-8, conta corrente 17178-6 e enviar o comprovante de pagamento para Hues. Em 40 dias, ele recebe o documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.