FGTS das domésticas terá período de transição, diz Dilma

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, explicou nesta segunda-feira que o governo deve negociar uma proposta de transição para a cobrança do FGTS dos empregados domésticos. Ela disse que a Medida Provisória 284 não deve ser aprovada como está, pois o benefício esperado poderia ser revertido. "A proposta como está não deve ser aprovada, porque ela pode virar contra si mesma, ou seja, era uma proposta para aumentar a formalização", disse ela."Nós que queremos que as domésticas tenham os mesmos direitos de qualquer trabalhador também percebemos que para atingir isso pode ser necessário um processo e não uma medida imediata", acrescentou. Conforme Dilma, haverá reunião hoje entre o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, a Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, e a ministra Nilcéia Freire, da Secretaria Especial de Política para as Mulheres, para discutir uma proposta de transição.A ministra avaliou que a oposição encontrou uma forma "perversa" de fazer política ao aprovar o reajuste de 16,6% aos aposentados. "A não ser que tenhamos responsabilidade de Estado, oposição e governo, não conseguiremos construir o País que todos queremos", afirmou. Ela descreveu que o governo negociou o reajuste de 5% com representantes dos aposentados. "Também aproveitando a conjuntura eleitoral, a oposição quis testar o governo e ameaçá-lo com 16% de aumento", declarou.Segundo Dilma existe um impasse que está sendo avaliado pelo governo. A ministra ressaltou, contudo, que o governo "tem o firme compromisso com as finanças públicas". Ela explicou que um veto derrubaria toda a proposta. "É uma forma perversa que a oposição encontrou de fazer política, penalizando os aposentados", avaliou, durante visita às obras de construção do Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), em Porto Alegre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.