FGTS: Força apresenta proposta ao governo

A Força Sindical entregou hoje ao ministro do Trabalho Francisco Dornelles, sua proposta para a quitação da correção devida aos trabalhadores nas contas vinculadas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A central sindical quer que os aposentados e os mais pobres recebam primeiro o dinheiro. Pelos cálculos da Força Sindical, feitos com base em dados fornecidos pela Caixa Econômica Federal, 85,1% das contas acumulam valores de até 10 salários mínimos, sendo que seu valor soma apenas 14,9% do total do Fundo.Segundo Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical, pelo documento entregue a Dornelles, com R$ 5,6 bilhões o governo quita a conta com a maioria absoluta dos trabalhadores. Para os demais, ele defende que o governo faça apenas o crédito nas contas, uma vez que o saque só ocorrerá no futuro, quando o trabalhador fizer jus a uma das possibilidades de saques prevista na lei do FGTS.A Força Sindical também defende que o governo possa utilizar, para pagar a dívida estimada entre R$ 38 bilhões e R$ 43 bilhões, recursos do Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS), títulos do Tesouro, terras da União e imóveis públicos. CUT ainda não tem propostaOs trabalhadores poderiam então, de forma voluntária, aceitar receber ou não esses ativos. Já o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), João Felício, que também esteve com Dornelles, disse que a entidade só fará uma proposta quando tiver os dados prometidos pela Caixa em mãos. João Felício disse que a CUT está cautelosa na negociação com o governo.Apesar das discordâncias, a Força Sindical e a CUT têm alguns pontos em comum. O primeiro deles é que o governo federal deva assumir a responsabilidade de reestruturar o pagamento da dívida do tesouro com o FGTS. A segundo é que devem ter prioridade no saque dos recursos os trabalhadores de baixa renda, os aposentados e os desempregados. É também importante para as centrais que a negociação tenha um horizonte para terminar e que possa ser divulgado logo um cronograma de pagamento da diferença de correção monetária do FGTS.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.