FGTS: Governo nega afirmações da CUT

O porta-voz da Presidência da República, Georges Lamazière, contestou, há pouco, diversas afirmações feitas momentos antes pelo presidente da CUT, João Felício, sobre o encontro dele e de dirigentes da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) com o presidente Fernando Henrique Cardoso, no final da tarde de hoje. Segundo o porta-voz, o presidente não estabeleceu terça-feira como prazo para os ministros do Trabalho, Francisco Dornelles, e da Fazenda, Pedro Malan, apresentarem uma proposta de participação do governo no pagamento das perdas sofridas pelos trabalhadores em seus saldos do FGTS com os Planos Verão e Collor I.Felício havia dito que o presidente lhe informou que daria esse prazo aos ministros. Aindasegundo o porta-voz, no encontro, o presidente apenas lembrou aos sindicalistas que, naterça-feira que vem, haverá um encontro dos ministros com representantes das centraissindicais para continuar negociando a reposição das perdas do FGTS e que ficou de conversarcom os ministros antes da reunião. Quanto à informação de João Felício de que o governodeverá entrar com uma parte dos recursos para repor as perdas, o porta-voz afirmou: "Ogoverno está disposto a cooperar, a participar na busca de uma solução. Não confirma que vaientrar com dinheiro". Ainda a propósito da reunião do presidente com os sindicalistas, oporta-voz observou, quanto à proposta deles de ser aumentada a taxação dos banqueiros, que"alguém efetivamente mencionou essa hipótesse, mas o presidente não endossou, apenas ouviu".João Felício havia informado que o presidente teria achado boa esta sugestão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.