FGTS: Medeiros espera plano de quitação

Frente à decisão do governo de estender a todos os trabalhadores o direito de receber as correções do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) referente aos Planos Verão e Collor I, o deputado Antônio Medeiros, do PFL-SP, acredita que o governo pode estar fazendo um jogo pré-eleitoral, na verdade, querendo rolar a dívida para daqui a dois ou três anos.Medeiros foi o autor do projeto de lei que objetiva estender a todos os trabalhadores o direito ao Fundo, mesmo àqueles que não tenham ingressado com o processo. Apesar de considerar a decisão do governo legítima e, a princípio, benéfica, a grande questão é saber como será feito o pagamento. Em sua avaliação, o governo pode estar fazendo o discurso do "devo, não nego, pago quando puder", já que uma decisão como esta implica um enorme rombo nos cofres públicos, estimado pelo Banco Central (BC) em R$ 38,8 bilhões.Dadas as incertezas, o deputado recomenda aos trabalhadores aguardar um novo pronunciamento do presidente Fernando Henrique sobre a forma de quitação da dívida antes de desistir ou deixar de entrar com ações individuais e coletivas para pleitear as perdas. "Por enquanto, ainda não há garantias de que o governo queira, de fato, pagar os trabalhadores", explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.