Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

FGTS pede parecer para decidir se socorre a Caixa

Governo está negociando um socorro à Caixa Econômica para evitar que o Tesouro Nacional tenha de fazer um aporte de recursos na instituição

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2017 | 23h15

O Conselho Curador do FGTS pediu um parecer à área jurídica do Ministério do Trabalho sobre operação solicitada pela Caixa para ajudar o banco a cumprir índices mínimos de capital definidos internacionalmente. Como antecipou o Estadão/Broadcast na semana passada, o governo está negociando um socorro à Caixa Econômica para evitar que o Tesouro Nacional tenha de fazer um aporte de recursos na instituição.

De acordo com o secretário executivo do Conselho, Bolivar Moura Neto, o parecer foi pedido para dar mais segurança jurídica à operação, que é acompanhada de perto pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Moura Neto disse que não haverá repasses de novos recursos do fundo dos trabalhadores ao banco público e que a proposta é utilizar parte da dívida que a Caixa tem com o FGTS e transformá-la em um instrumento perpétuo, ou seja, sem prazo de vencimento.

A Caixa poderá pedir ao Banco Central autorização para usar esse instrumento como parte de seu capital, o que ajudaria a cumprir as regras de Basileia, que exigem que, para cada R$ 100 emprestados, os bancos tenham R$ 11 de capital próprio. “Não há desembolso do FGTS; não tira dinheiro do caixa para fazer a operação. São recursos que já foram desembolsados”, afirmou Moura Neto.

O representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Conselho Curador, Cláudio Gomes, disse que o pedido de autorização para a operação ainda não entrou na pauta porque “não há conforto” entre os conselheiros para votá-lo. “Estamos no aguardo do parecer jurídico”, afirmou.

Operação. Moura Neto explicou que, hoje, a Caixa deve para o FGTS em torno de R$ 260 bilhões em recursos utilizados em operações do banco com dinheiro do Fundo. Esses valores são pagos em até 30 anos. A operação em discussão utilizaria R$ 10 bilhões dessa dívida já existente e a transformaria em um instrumento perpétuo, ou seja, sem prazo de vencimento.

Esses papéis passariam a pagar juros anuais que seriam superiores ao rendimento pago hoje pela Caixa ao Fundo, que é de TR + 5% a 5,5% ao ano. Será utilizada parte da dívida da Caixa com o FGTS que vencerá em no mínimo 15 anos. “Para o Fundo, a operação pode ser boa, porque você troca uma dívida que receberia somente daqui a 15 anos por outra que receberá anualmente um rendimento maior”, afirmou.

A proposta deverá entrar na pauta da próxima reunião do Conselho, em dezembro, ou poderá ser marcada uma reunião extraordinária antes disso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.