Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

FGTS pode bancar projetos do BNDES

Proposta da Caixa, que tem de ser aprovada pela CVM, prevê aplicação de R$ 5 bi em obras de infra-estrutura

Fernando Nakagawa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

Projetos de infra-estrutura do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) podem receber recursos do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS). A idéia é da Caixa Econômica Federal, que quer aplicar ao menos R$ 5 bilhões do trabalhador nesses empreendimentos. Se a parceria for aprovada, o vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, Wellington Moreira Franco, acredita que as primeiras obras poderiam começar em 100 dias.O plano da Caixa prevê a realização de parceria com o BNDES, que seria responsável por apresentar projetos ao banco federal. Técnicos das duas instituições fariam a avaliação de viabilidade e das perspectivas de cada um dos empreendimentos. Moreira Franco diz que, se forem seguros, viáveis e houver expectativa de retorno, as obras receberiam os recursos do FI-FGTS. Não haveria capitalização - reforço do capital - do BNDES."Eles precisam de capital para uma série de projetos e nós temos os recursos do FGTS. Acho que essa pode ser uma parceira extremamente proveitosa", afirmou. Moreira Franco observou, contudo, que uma parceria como essa não impede o investimento em projetos que estejam fora da carteira do BNDES.Pela legislação federal aprovada em junho, o FI-FGTS só pode alocar recursos em empreendimentos nas áreas de energia, rodovias, ferrovias, hidrovias, portos e saneamento. Procurado, o BNDES informou que há "milhares" de projetos nessas áreas, mas que a instituição não vai se pronunciar sobre o assunto.Para começar a investir, o FI-FGTS precisa ser regulamentado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Segundo o vice-presidente da Caixa, essa regulamentação deve ser anunciada nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.