FGTS: problemas operacionais dificultam saques

O pagamento da correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) referente aos expurgos dos planos Verão e Collor I está criando confusão e filas nas agências da Caixa Econômica Federal e nas lotéricas. O número de trabalhadores que tem procurado a Caixa é tão grande que as agências estão diariamente lotadas e com filas enormes, que começam a serem formadas durante a madrugada. A corrida às agências da Caixa está acontecendo porque grande parte dos trabalhadores tem dúvidas sobre os documentos exigidos para receber o pagamento, enquanto outros não conseguem receber o dinheiro por problemas operacionais da instituição financeira. A Assessoria de Imprensa da Caixa acredita que o grande movimento está ocorrendo porque o pagamento deste mês é dirigido para quem tem até R$ 1 mil para receber.O presidente da Instituição FGTS Fácil, Mário Alberto Avelino, reconhece que os problemas operacionais da Caixa têm causado dor de cabeça aos trabalhadores. Ele avisa que muitas pessoas estão recebendo extratos com a expressão "não identificado". "Esse é o principal problemas que leva milhares de trabalhadores às agências da Caixa. A mensagem significa que a Caixa não conseguiu identificar se o trabalhador tem direito ou não ao saque", explica. A Assessoria de Imprensa da Caixa informa que a expressão "não identificado" vem no extrato quando existem divergências cadastrais do trabalhador. A Caixa informa que o trabalhador não precisa preencher um novo termo de adesão, mas sim dirigir-se a uma agência ou posto de atendimento da Caixa com o termo de rescisão contratual em mãos.Mário Avelino ressalta que a maioria das pessoas não costuma guardar rescisões contratuais antigas. Se o trabalhador não tiver a rescisão, ele terá que recorrer à empresa que trabalhava naquela época para pedir o código do saque do FGTS. "Essa burocracia toda está confundindo o trabalhador e provocando as filas nas agências", avalia Mário Avelino. Ele diz que se empresa não existir mais, a última saída é pedir um extrato analítico de sua conta ao banco depositário do fundo na época, para fazer uma comparação dos dados.O presidente do FGTS Fácil afirma que esta peregrinação poderia ser evitada pela Caixa, bastando-se levantar as informações junto ao cadastro de admitidos e demitidos do Ministério do Trabalho. "Toda essa confusão e burocracia está acontecendo por falta de vontade da Caixa. A instituição está mais preocupada com o marketing do que com o atendimento ao trabalhador", comenta Mário Avelino.Extrato analíticoO extrato analítico do FGTS daquela época pode ser conseguido junto ao banco depositário do fundo naquela data. Vale lembrar que, na época dos expurgos, o FGTS ainda não estava centralizado na Caixa, e as empresas tinham a liberdade de escolher o banco onde eram feitos os depósitos. Somente em junho de 1992 foi concluído todo o processo de transferência dessas contas dos bancos para a Caixa. Recentemente, os bancos enviaram para a Caixa os números referentes à época dos planos econômicos. O presidente do Instituto FGTS Fácil explica que o extrato analítico vai mostrar mês a mês a evolução do saldo do FGTS. Para solicitar o extrato analítico do FGTS são necessários os seguintes documentos: carteira profissional, na qual deverá constar o nome e o CGC (atual CNPJ) da empresa, data de admissão do funcionário e de afastamento, a data de opção no FGTS, o nome do banco depositário, CPF, RG e PIS.Mário Avelino ensina que para identificar o banco depositário, o trabalhador deve consultar as anotações na sua carteira de trabalho, onde devem constar os seguintes dados: a data de opção do FGTS, o nome do banco depositário e a agência do banco. O presidente do FGTS Fácil avisa que o trabalhador que enfrentar dificuldade para conseguir informações no caso de bancos que foram fechados ou incorporados por outras instituições pode ligar para o Banco Central. Em São Paulo o telefone é (0xx11) 3491-6122. Quem estiver em outra localidade poderá ligar para 0800-992345. O trabalhador pode tirar todas as suas dúvidas e também calcular o valor dos expurgos no site do Instituto FGTS Fácil: www.fgtsfacil.com.br

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.