FGTS: trabalhador pede extrato gratuito

A Social Democracia Sindical (SDS) vai pedir ao presidente do Banco Central, Armínio Fraga, que baixe medida para obrigar as instituições financeiras a fornecer, sem cobrança, os extratos bancários com valores atualizados aos trabalhadores que tinham conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) na época dos planos econômicos Verão e Collor. A entidade já pediu audiência com Fraga, mas a data ainda não está definida. Segundo o presidente da SDS, Enilson Simões de Moura, todos os trabalhadores têm direito à informação. Em 1990, quando a administração do FGTS ficou centralizada na Caixa, muitos bancos não repassaram as contas antigas ou inativas de trabalhadores para a instituição. Esses dados, segundo Moura, ainda existem em microfilmes. Para ter acesso às informações, os correntistas do fundo precisariam ir ao banco, pesquisar e ainda fazer a conversão dos valores, pois a moeda nacional mudou três vezes desde então.Ministro aguarda análise do acórdão para discutir pagamentoO senador Sérgio Machado (PSDB-CE) apresentou ontem projeto de lei que determina a gratuidade ao fornecimento dos extratos bancários do FGTS. O projeto vai passar pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), do Senado, e ainda deverá ser votado pela Câmara dos Deputados. "Recebi reclamações de vários trabalhadores e sindicatos de meu Estado de que os bancos privados estavam cobrando entre R$ 3,00 e R$ 6,00 por folha de extrato do fundo", afirmou o parlamentar. O ministro do Trabalho e do Emprego, Francisco Dornelles, afirmou que ainda está aguardando a análise do acórdão pela Advocacia Geral da União para e discutir as formas de pagamento das correções do FGTS com as centrais sindicais. O documento deverá chegar ao ministério em 20 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.