FGV: 2ª prévia do IPC-S fica em 0,68%

A segunda prévia da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S), apurada até o sábado passado (dia 15), subiu 0,68%, em comparação com a alta de 0,54% apurada no indicador anterior, de até 7 de dezembro. Mais uma vez, a principal contribuição para a aceleração do indicador, na passagem do IPC-S entre uma prévia e outra, partiu do grupo Alimentação, cujos preços seguem em aceleração (de 1,48% para 1,83%). Das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice, cinco apresentaram aumento mais intenso de preços, ou deflação mais fraca no mesmo período. Além de Alimentação, é o caso de Habitação (de -0,06% para -0,04%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,08% para 0,14%); Transportes (de 0,61% para 0,77%); e Despesas Diversas (de 0,36% para 0,60%). Os dois grupos restantes apresentaram desaceleração de preços. É o caso de Vestuário (de 0,88% para 0,79%); e Educação, Leitura e Recreação (de 0,15% para 0,08%).AlimentosAs altas de preços mais expressivas foram apuradas no setor de alimentação. No âmbito do indicador, as três elevações de preços mais significativas foram as de feijão carioquinha (28,18%); batata-inglesa (7,97%) e alface (16,88%).Em contrapartida, as mais significativas quedas de preço, na segunda prévia do IPC-S, também foram registradas nos setores de alimentação e em tarifas de serviços. Segundo a FGV, as três deflações mais expressivas foram registradas em tarifa de eletricidade residencial (-1,01%); leite tipo longa vida (-3,35%); e tomate (-14,12%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.