FGV: alimentos puxaram alta do IPC-S em SP e no Rio

As altas no varejo dos preços de alimentos in natura e de alimentos processados conduziram às acelerações de preços registradas no Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) de São Paulo (de 0,85% para 0,95%) e no do Rio de Janeiro (de 0,56% para 0,67%), na passagem do índice medido até 15 de maio para o indicador apurado até o dia 22 deste mês. A avaliação é do economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), André Braz. De acordo com ele, o cenário fez com que a inflação dos alimentos acelerasse tanto em São Paulo (de 1,84% para 2,11%) quanto no Rio de Janeiro (de 1,22% para 1,56%). "A movimentação de preços no Rio e em São Paulo representa quase 70% do total do IPC-S", acrescentou, explicando que a inflação mais alta no setor de alimentação, nas duas cidades, contribuiu muito para a leve aceleração da taxa total do IPC-S (de 0,70% para 0,72%).No caso dos in natura, houve elevações de preços mais intensas em hortaliças e legumes, tanto em São Paulo (de 4,78% para 6,98%) quanto no Rio de Janeiro (de 2,98% para 6,44%). Já a movimentação de alta nos preços dos alimentos processados continua, com destaque para as altas nos preço do arroz em São Paulo (13,05%) e no Rio de Janeiro (13,26%). Para o economista, os preços dos in natura e dos alimentos processados devem continuar a subir nas duas capitais, pelo menos no curto prazo. Isso fará com que os próximos resultados do IPC-S nas duas cidades permaneçam em aceleração. Braz não descartou que os aumentos de preços dos alimentos possam arrefecer, em algum momento. Porém, essa perda de fôlego na alta dos preços do setor de alimentação só deve ocorrer em meados do mês que vem, na avaliação do economista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.