finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

FGV aponta PIB em retração no trimestre encerrado em maio

Segundo acompanhamento feito pela instituição, desempenho fraco da indústria vem puxando resultado para baixo

IDIANA TOMAZELLI / RIO, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2014 | 02h03

As indústrias de transformação e da construção continuam exibindo perdas em relação ao ano passado, enquanto o comércio desacelera. A combinação, segundo estimativa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), levou o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro a registrar o primeiro resultado negativo este ano. De acordo com o Monitor do PIB, acompanhamento feito pela instituição, no trimestre encerrado em maio, a soma da renda gerada no País recuou 0,1% na comparação com igual período de 2013.

Caso continue no negativo, o PIB terá o pior resultado desde o terceiro trimestre de 2009, quando a queda foi de 1,5% sobre igual período do ano anterior, de acordo com os dados oficiais do IBGE. Os resultados do segundo trimestre serão divulgados em 29 de agosto.

Até abril, a taxa trimestral interanual era calculada em 0,9%, segundo o relatório do Monitor do PIB, que busca antecipar mês a mês os rumos da economia usando as mesmas metodologia e fontes de informação empregadas no cálculo oficial do IBGE. Entre janeiro e março, a economia havia avançado 1,9% na comparação com igual período de 2013, segundo o IBGE.

A indústria teve recuo de 2,9% de março a maio em relação a igual período de 2013. Pesaram para este desempenho a queda de 5,4% na indústria de transformação e a de 6,6% na indústria da construção, na mesma base de comparação. Com a intensidade das perdas, nem o avanço de 8,1% do segmento extrativo estancou a piora do setor produtivo.

O setor de serviços, que responde por dois terços da economia, perdeu força e subiu 0,6% no trimestre até maio, influenciado pelo desempenho mais fraco de comércio, transportes e outros serviços. Na agropecuária, houve melhora entre abril e maio, para 1,3%, mas a taxa ainda é menor do que no primeiro trimestre.

"A economia desacelerou forte demais em abril. Em maio, continuou nesse processo, embora menos do que no mês anterior. Mas o bimestre mostra deterioração", avalia o pesquisador associado do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV) Claudio Considera, coordenador do projeto. O economista já esteve à frente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, responsável pelo cálculo oficial do PIB, e atuou como Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda.

"No caso da agropecuária, o desempenho mostra que o crescimento este ano não vai ser estrondoso como nos outros anos. Nos serviços, não tem muito jeito. O setor depende da indústria e da agropecuária", acrescenta. Em 12 meses, o PIB mostrou crescimento de 1,7% até maio, bem menor do que o acumulado em quatro trimestres até março, quando o avanço era de 2,5%, conforme divulgou o IBGE em 30 de maio.

Indicador. Ontem, o Boletim Focus mostrou que os analistas estão cada vez menos otimistas e esperam, em média, alta de 1,05% no PIB este ano (ver ao lado). Na sexta-feira, as atenções se voltam ao Indicador de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), outro termômetro da atividade no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.