FGV: artigos da moda subiram menos que a inflação

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou hoje dados sobre reajustes de preços de serviços relacionados à moda que, segundo a instituição, registraram aumentos abaixo da inflação entre 2001 e 2007. No período, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da FGV, subiu 57,04%, o Índice da Moda subiu 35,15%. Dos oito grupos componentes deste indicador, três segmentos apresentaram aumentos acima da variação média: artigos de higiene e maquiagem (54,51%); acessórios (48,97%) e serviços (39,36%).Por outro lado, foram registrados aumentos abaixo da média para os grupos de calçados masculinos (30,79%); tecidos e aviamentos (28,89%); roupas masculinas (27,94%); roupas femininas (23,04%) e calçados femininos (20,94%). Os dados foram levantados pelo economista da FGV, André Braz.Segundo o documento da FGV de divulgação do índice, no segmento roupas houve um considerável crescimento das importações entre 2001 e 2007, montante que passou de US$ 141 milhões e 18 mil toneladas, no ano de 2001, para US$ 486 milhões e 40 mil toneladas, em 2007, o que pode ter contribuído para os reajustes abaixo da média nesses produtos.MundoNos Estados Unidos, segundo a FGV, o grupo vestuário também não acompanhou a inflação acumulada nos últimos sete anos. O IPC registrou alta de 20,72%, entre janeiro de 2001 e dezembro de 2007, enquanto o vestuário apresentou queda de 7,46%, no mesmo período naquele país no mesmo período. Na zona do euro (15 países europeus que compartilham a moeda), ainda de acordo com a FGV, o aumento registrado pelas roupas (8,37%) também veio abaixo do IPC (17,02%) acumulado entre 2001 e 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.