Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

FGV informa que inflação semanal fica em 0,61%

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) ficou em 0,61% na semana encerrada em 17 de dezembro, resultado idêntico ao registrado na apuração anterior, do IPC-S de até 13 de dezembro. A informação foi divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) no anúncio da centésima edição do IPC-S.O resultado ficou abaixo das estimativas dos analistas do mercado financeiro (entre 0,62% e 0,70%). Segundo a FGV, dos sete grupos que compõem o IPC-S, quatro apresentaram alta de preços, no IPC-S divulgado hoje ante o apurado anteriormente. É o caso de Alimentação (de 0,17% para 0,27%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,24% para 0,25%); Educação, Leitura e Recreação (de 0,33% para 0,40%); e Transportes (de 1,96% para 2,12%).Os outros grupos apresentaram recuo de preços no mesmo período, como Habitação (de 0,47% para 0,36%); Vestuário (de 1,52% para 1,47%); e Despesas Diversas (de 1% para 0,82%).Segundo a FGV, os grupos Transportes e Habitação responderam por 59% da variação total do indicador na semana encerrada em 17 de dezembro, mesmo com Habitação apresentando desaceleração em sua taxa de variação - esse grupo é o de maior peso entre os sete que formam o IPC-S.Resultado por produtosPor produtos, as altas mais expressivas de preço, no IPC-S de até 17 de dezembro, foram observadas em gasolina (3,92%); tarifa de telefone residencial - assinatura e pulsos ( 1,41%); e mamão da amazônia - papaya (14,76%).Já as mais expressivas quedas de preço foram observadas em batata inglesa (-7,53%) cebola (-18,61%) e leite tipo longa vida (-1,99%). Por regiões, das 12 capitais pesquisadas pela FGV, cinco apresentaram aceleração de preços nesse IPC-S, ante o IPC-S anterior. A maior taxa de inflação foi registrada em Belo Horizonte (1,20%). Já a menor taxa foi verificada em Belém (0,30%).

Agencia Estado,

27 de dezembro de 2004 | 08h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.