FGV nega vazar informação na divulgação da inflação

O economista da Fundação Getúlio Vargas, Salomão Quadros, negou que a instituição tenha vazado os números da inflação divulgados ontem (IGP-DI) e hoje (IGP-M), como chegou a ser comentado por investidores do mercado financeiro. Segundo ele, a FGV segue a mesma rotina e os mesmos padrões de qualidade do cálculo dos índices gerais de preços desde a criação do IGP-M, há 15 anos. Ele disse que a fundação divulga cinco resultados dos IGPs por mês (IGP-DI, IGP-10, IGP-M e as duas prévias do IGP-M). Quem contrata a FGV para calcular o IGP-M é a Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) e a divulgação é feita pela FGV com a participação da Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto (Andima). As divulgações do IGP-DI são às 15h30 e as do IGP-M, às 17h30. Quinze minutos antes desses horários, a FGV envia para a Andima o conteúdo da pesquisa. Segundo Quadros, com a informação do IGP-DI de fevereiro, divulgado ontem, e a do IGP-M do mês passado, já era possível fazer uma estimativa da primeira prévia do IGP-M de março, divulgada hoje. Quadros disse que afirmações de que há vazamento precisam ter mais fundamentos, mas que ele não fala pela fundação. "Quem pode falar sobre isso pela Fundação é o pessoal da diretoria", afirmou Quadros, citando o diretor do Instituto Brasileiro de Economia, Antonio Carlos Porto Gonçalves. A assessoria da Andima disse que só recebe os resultados da FGV minutos antes das 17h30 e só faz a divulgação a partir do horário estipulado. A assessoria lembrou que a Andima não é responsável pela divulgação do IGP-DI, cujas informações também teriam vazado ontem. O IGP-DI é informado pela própria FGV.

Agencia Estado,

10 Março 2004 | 18h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.