FGV reduz projeção do IPC-SP de fevereiro para 0,2%

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) reduziu nesta sexta-feira, 23, a previsão da inflação na capital paulista para o fechamento de fevereiro. De acordo com o pesquisador da Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, Paulo Picchetti, o Índice de Preços ao Consumidor de São Paulo (IPC-SP) deverá subir 0,20% no encerramento deste mês e ficar bem abaixo do indicador de janeiro, que avançou 0,62%. A estimativa anterior era de alta de 0,30%.Segundo o economista, que coordena o IPC-SP, a modificação na projeção foi motivada, principalmente, pela redução da alta do preço do álcool combustível, que trouxe uma menor contribuição para o índice geral, que desacelerou, de 0,46% para 0,26%, da segunda para a terceira apuração de fevereiro. "A revisão foi feita justamente porque o álcool deu esta boa reversão que ajudou a desacelerar", disse Picchetti.Neste período analisado, o preço do combustível saiu de uma alta de 5,67% para uma variação positiva de 1,40%. As contribuições do IPC-SP foram de 0,04 ponto porcentual e 0,01 ponto porcentual, respectivamente.Além da influência do álcool, Picchetti destacou que a desaceleração dos preços dos alimentos in natura, que ainda respondem por boa parte da inflação, e a saída do impacto dos aumentos do grupo Educação, foram importantes para que o IPC-SP apresentasse a redução de 0,20 ponto porcentual nesta medição. Ele lembrou ainda que a queda nos preços do grupo Vestuário, por conta das liquidações deste período do ano, também teve boa parcela de contribuição para o índice menor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.