FGV: situação econômica atual na AL continua favorável

A situação econômica atual da América Latina continua sendo avaliada favoravelmente, mas o mesmo não se pode dizer das expectativas para o ambiente econômico da região, referentes aos próximos meses - que se deterioraram. É o que mostra a terceira edição da Sondagem Econômica da América Latina, feita em parceria pelo Instituto de Pesquisa Econômica (IFO) da Universidade de Munique (Alemanha) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo as duas instituições, o Índice de Clima Econômico (ICE), elaborado em parceria entre o instituto alemão e a FGV, recuou para 5,6 pontos em outubro de 2007, abaixo do resultado anterior da mesma pesquisa, trimestral, referente a julho deste ano (5,9 pontos).No informe, as duas entidades afirmaram que, "diferentemente do que ocorre nos EUA e Europa onde, em outubro, as avaliações sobre a situação atual já apresentam sinais de piora, o recuo do índice na América Latina deve-se exclusivamente à disseminação de uma visão mais pessimista entre os especialistas em relação aos próximos meses".O ICE é construído como uma combinação de dois índices que medem a situação econômica atual e as expectativas para os próximos seis meses. O Índice da Situação Atual (ISA) manteve patamar de 6,4 pontos em outubro - mesmo resultado da pesquisa anterior e nível recorde. O Índice de Expectativas (IE) passou de 5,4 pontos para 4,7 pontos, "nível idêntico ao de julho de 2005, ambos os menores desde outubro de 2001", segundo esclareceram as instituições, em comunicado.A Sondagem Econômica da América Latina serve ao monitoramento e antecipação de tendências econômicas, com base em informações prestadas trimestralmente por especialistas nas economias de seus respectivos países. A pesquisa é aplicada com a mesma metodologia - simultaneamente - em todos os países da região. Em outubro passado, foram consultados 117 especialistas em 15 países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.