Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

FGV: varejo frustra projeções por pessimismo excessivo

O resultado do varejo no mês de julho contrariou as expectativas de analistas, que aguardavam retração ou tímido avanço no período. As projeções pessimistas seguiam a linha de pesquisas feitas junto ao comércio e ao consumidor, que indicavam menor tendência ao consumo. Mas para o economista Aloisio Campelo, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), houve um "overshooting" de pessimismo.

IDIANA TOMAZELLI, Agencia Estado

12 de setembro de 2013 | 16h46

"Houve um efeito de choque na confiança, um impacto meramente de sentimento em relação às manifestações", observa. Ele ressalta que, em agosto, as sondagens voltaram para o campo positivo, embora ainda registrem níveis historicamente baixos.

Além disso, o economista explica que o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) - calculado pelo Ibre/FGV -, por exemplo, capta apenas a intenção de adquirir bens duráveis, traduzindo geralmente uma tendência de médio prazo. "Nesses, a expectativa continua não sendo favorável para o terceiro trimestre", afirma. Em julho, o ICC havia recuado 4,1% ante junho, enquanto agosto teve alta de 4,4% em relação ao mês anterior.

É o caso do setor de veículos, que amargou queda de 3,5% em julho ante junho. O segmento de equipamentos de informática, outro que está entre os bens duráveis, avançou 3,5% no período, mas vinha de quedas sucessivas desde março deste ano. A exceção foi a área de móveis e eletrodomésticos. O ponto fora da curva se deu, segundo o economista, em função dos estímulos do programa federal Minha Casa Melhor, que financia a aquisição desses artigos para beneficiários do Minha Casa Minha Vida.

Descontando isso, Campelo acredita que a melhora dos bens não duráveis pode impulsionar uma aceleração no varejo para o terceiro trimestre, embora talvez demore a rebater na indústria. O economista comenta que o setor de vestuário, por exemplo, acumulava estoques em agosto, mesmo com a expressiva alta de 5,4% em julho ante junho.

O descasamento entre os indicadores da economia brasileira desafiam os analistas. "É difícil captar o ponto", afirma Campelo. Mesmo assim, diz que os resultados de indústria e comércio vão em direções diferentes, porque parte do setor industrial não tem conexão direta com o consumidor. Ele destaca que as maiores quedas na indústria em julho foram nas categorias de bens de capital, intermediários e de consumo duráveis.

Tudo o que sabemos sobre:
varejoIBGEjulhoFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.