FHC critica regime de paridade cambial

O presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma de suas mais contudentes críticas ao antigo regime cambial argentino. "É muito difícil um país marchar contra o bom senso por muito tempo", disse o presidente ao discursar para 120 empresários brasileiros e russos em Moscou. "O que vocês chamam de mercado eu, que sou cartesiano, chamo de bom senso", emendou. Em seguida, amenizou o tom e disse acreditar na Argentina, que "tem recursos humanos extraordinários". FHC descartou o contágio da crise Argentina na economia brasileira. "Por sorte, os mercados foram mais competentes e reconheceram que os fundamentos da economia são sólidos no Brasil". E relacionou, como um desses fundamentos, o regime fiscal muito duro, que lhe custou popularidade mas que deu tranqüilidade ao país. O presidente tinha um texto preparado para o discurso, mas decidiu improvisar, como ele mesmo ressaltou, com liberdade. "Liberdade que eu devo à vodka", afirmou, antes de fazer um brinde com cachaça brasileira.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.