bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

FHC diz a empresários espanhóis que há progressos na Argentina

Um grupo de grandes empresários espanhóis almoçou hoje com o presidente Fernando Henrique Cardoso para ouvir opinião dele sobre o futuro da Argentina. Eles também falaram sobre a situação no Brasil, mas o foco das atenções foi mesmo o país vizinho, onde essas empresas tiveram prejuízos. Eles não fizeram comentário à saída.Segundo um assessor do Planalto, o presidente disse aos empresários que o presidente Eduardo Duhalde, dentro das condições que lhe são dadas, tem feito progressos. Um exemplo citado foi a recente aprovação da legislação sobre falências.Ele também ressaltou que a Argentina tem condições de se reerguer, no médio e longo prazos, dada a capacidade de exportar. Por outro lado, Fernando Henrique admitiu que Duhalde se equilibra sobre uma base precária. "Os banqueiros espanhóis querem ouvir de Duhalde um sinal de que o sistema continuará em funcionamento na Argentina", disse o assessor.Do almoço, participaram empresários como Iñigo Oriol, do grupo Iberdrola, e Fernando Gonzales, do BBV. O presidente do Santander, Emílio Botín, e o vice-presidente para a América Latina, Francisco Luzón, estiveram com Fernando Henrique no fim da manhã. Questionado sobre se retiraria seus investimentos da Argentina, Luzón disse: "Em princípio, não temos vocação de fechar."Ele acrescentou que tem expectativas sobre o que Duhalde dirá nesta sexta-feira, durante a II Reunião de Cúpula América Latina e Caribe-União Européia. "É importante o que o governo da Argentina vai comentar aqui em Madri. Estamos aguardando." Já com relação ao Brasil, os executivos do Santander não têm preocupação, nem mesmo diante do quadro apontado pelas pesquisas eleitorais. "Fizemos uma aposta definitiva no Brasil e isso não vai mudar", disse Luzón.Um assessor do banco disse que foi fechado o escritório do Santander de Nova York que fez o relatório recomendando reduzir investimentos em títulos da dívida brasileira. Os executivos discutiram esse episódio com Fernando Henrique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.