FHC diz que pior imposto é o ICMS

O presidente Fernando Henrique Cardoso fez um apelo durante o seminário econômico Brasil-Alemanha, no Itamaraty, para que os empresários brasileiros e alemães ajudem na aprovação de pontos da reforma tributária que estão no Congresso Nacional. Ele disse que o tributo que mais pesa hoje no País talvez seja o ICMS, por possuir "exagero de algumas alíquotas", e causar a guerra fiscal entre os Estados. Fernando Henrique lembrou que existe no Congresso um projeto de lei pelo qual o Senado passaria a regulamentar a cobrança desse imposto, fixando uma banda de flutuação para os Estados. "Gostaria que os empresários presentes, não apenas os alemães, os brasileiros também, nos ajudassem a fazer andar esse projeto", disse o presidente. Ele afirmou que a grande dificuldade de se fazer a reforma tributária é fechar a equação onde "cada nível de governo quer ganhar um pouco mais e cada contribuinte quer pagar um pouco menos". Fernando Henrique disse que se empresários de peso como Jorge Gerdau, presente no seminário, ajudarem na reforma tributária, será possível alcançar algum resultado neste ano. Ele apontou ainda os problemas causados pelos impostos em cascata, como a Cofins, que prejudicam a competitividade internacional de empresas brasileiras. O presidente destacou a necessidade de se fazer a redução desses impostos ao longo do tempo e uma "substituição impositiva" no futuro. Fernando Henrique disse não ter entendido o motivo de o Congresso ter rejeitado, no ano passado, o projeto que dava isonomia às produções nacional e estrangeira. "O projeto não passou e a própria indústria brasileira não quis", comentou o presidente referindo-se ao projeto que previa a cobrança da Cofins sobre produtos importados, que foi rejeitado pela indústria que temia o encarecimento da matéria-prima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.