bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

FHC diz que situação está "sob controle"

Ao fazer um análise da economia e da política no País, o presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a situação está sob controle. "Não há nenhum problema de endividamento que não seja manejável, administrável. Todos que têm noção efetiva do que acontece no Brasil sabem que a situação financeira também está sob controle. E também não é necessário ficar gerando preocupações políticas antes da hora", disse o presidente, acrescentando que está confiante de que o candidato tucano vai vencer as eleições presidenciais. E, se isso não ocorrer, quem vencer, segundo o presidente, vai governar com o apoio dos brasileiros. "Vai ter que ter uma atitude de responsabilidade. Acho que o candidato do PT (Luiz Inácio Lula da Silva) deu sinais de que está disposto a assumir essa atitude", afirmou o presidente, referindo-se às declarações de Lula sobre sua disposição de ouvir a sociedade e o atual governo. Fernando Henrique disse que achou bom o fato de Lula ter mantido em seu programa as mesmas linhas da política econômica do atual governo. "Só posso achar bom. Acho que a população brasileira quer segurança, e a segurança depende hoje em dia de uma política macroeconômica séria, austera, que tome em consideração a situação fiscal que gere um superávit necessário para fazer frente às dívidas que não são deste governo. As dívidas deste governo são apenas a explicitação de décadas de dívidas", afirmou o presidente. "Nós tivemos a coragem de mostrar que era assim a situação e de enfrentá-la", acrescentou, ao sair do Hotel Intercontinental, onde despachou nesta manhã. SolidezO presidente Fernando Henrique Cardoso disse que embora converse com freqüência com seu colega argentino, Eduardo Duhalde, os dois nunca conversaram sobre formas de evitar o contágio da crise Argentina na América Latina. "A questão aqui do Brasil não é da mesma natureza que a da Argentina. São situações completamente distintas", disse o presidente, referindo-se à turbulência no mercado financeiro, nos últimos dias. "Ainda hoje há declaração do presidente do Fed norte-americano (Alan Greenspan) como também de Stanley Fischer (ex-vice diretor-gerente do FMI), mostrando claramente que a situação econômica do Brasil é muito mais sólida", afirmou. "Nós temos de passar uma mensagem de confiança a todos. Confiança, inclusive, no que diz respeito a questões políticas. Não há razão para estar aí temendo o que possa acontecer. Nesse sentido, o candidato Lula da Silva (Luiz Inácio Lula da Silva, do PT) se antecipou ao declarar seu compromisso com questões que são realmente importantes para acalmar não o mercado, mas o Brasil", afirmou o presidente, que participa no Rio do debate sobre meio ambiente em encontro preparatório da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, que vai se reunir em agosto, em Johannesburgo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.