FHC elogia comércio com EUA e diz que China competirá com Brasil

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse hoje que os Estados Unidos são o mercado "qualitativamente mais importante" para os produtos brasileiros e que o País não pode substituir esse parceiro comercial pelos países emergentes. Ele argumentou que os EUA são o país que mais importa produtos manufaturados do Brasil. "Não é a Europa, nem a Ásia. Quem compra nossos manufaturados são os Estados Unidos e depois a América Latina", afirmou. A China, completou, é boa companheira, mas para comprar soja e aço. "Mas daqui a pouco ela vai produzir para competir conosco".Em palestra antes do primeiro discurso do novo embaixador dos EUA no Brasil, John Danilovich, Fernando Henrique disse estar preocupado com a possibilidade de o Brasil não conseguir manter uma de suas principais características econômicas: ser uma razoável potência agrícola ao mesmo tempo industrializada e inserida no setor de serviços. Para manter essa posição, segundo o ex-presidente, o Brasil precisa aumentar cada vez mais o valor da produção e que isso depende do mercado comprador. "Quem compra são os Estados Unidos", afirmou.Segundo dados apresentados no seminário do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFCH) pelo ex-embaixador do Brasil nos Estados Unidos Rubens Barbosa, 25% das vendas externas brasileiras vão para os EUA e 80% delas são de produtos manufaturados.O ex-presidente também criticou os rumos das negociações da Alca. Embora o processo esteja relativamente paralisado, Fernando Henrique acha que o fim do single-undertaking (o acordo só é assinado quanto tudo é aprovado), decidido na última reunião em Miami, abre caminho para que os Estados Unidos firmem uma série de acordos bilaterais na região que podem prejudicar os interesses brasileiros. "Vamos ter de competir com os produtos norte-americanos na América Latina", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.