Fiat anuncia lucro abaixo do previsto devido à crise econômica

Montadora italiana registra aumento de 1,9% no lucro do 3º trimestre e alerta para ganhos reduzidos em 2009

Danielle Chaves, da Agência Estado,

23 de outubro de 2008 | 09h36

A montadora italiana Fiat anunciou na noite de quarta-feira aumento de 1,9% no lucro líquido do terceiro trimestre e de 3,2% na receita, ambos abaixo das expectativas dos analistas, afetados negativamente pelo enfraquecimento econômico e pela crise nos mercados de crédito. A empresa também alertou para ganhos reduzidos no último trimestre deste ano e em 2009. Com isso, às 9h03 (de Brasília), as ações da companhia na Bolsa de Milão caíam 5,4%, para 6,19 euros.   Veja também: Governo autoriza estatização de instituições privadas no País Íntegra da MP no Diário Oficial  Consultor responde a dúvidas sobre crise   Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise    O lucro líquido subiu para 440 milhões de euros (US$ 564,4 milhões), de 432 milhões de euros no mesmo período do ano passado, e a receita cresceu para 14,3 bilhões de euros (US$ 18,3 bilhões). Os analistas projetavam lucro de 446 milhões de euros e receita de 14,4 bilhões de euros.   Apesar de não ter reduzido sua estimativa para lucro em todo este ano, a Fiat afirmou que os resultados deverão ficar no nível mais baixo de suas projeções anteriores e disse que espera um cenário de deterioração no próximo ano para a maior parte de seus negócios.   "Os eventos que presenciamos no último trimestre mudaram significativamente a qualidade das condições de comércio que nossos setores vão enfrentar no último trimestre deste ano e, na nossa opinião, em boa parte de 2009", afirmou a montadora em um comunicado. A Fiat, que tem sido prejudicada pela forte queda da demanda por automóveis em grandes mercados europeus, disse que "é bastante difícil identificar um ponto particular como orientação confiável" para seu desempenho em 2009.   "Acreditamos que vamos continuar vivendo flutuações irregulares nos sentimentos dos mercados durante pelo menos o primeiro semestre de 2009", afirmou a companhia, observando que esses desvios das condições normais são considerados temporários e, por isso, "não causam impacto sobre a substância geral" do compromisso da montadora em relação aos seus objetivos para os anos que vão de 2007 a 2010.   No terceiro trimestre, a Fiat também registrou um forte aumento em sua dívida industrial líquida, para 3,3 bilhões de euros (US$ 4,2 bilhões), e uma contínua erosão de sua liquidez, que no fim do período era de 3,2 bilhões de euros (US$ 4,1 bilhões) - menos de metade do valor que a empresa tinha no fim do terceiro trimestre de 2007. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Fiatveículoscrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.