Marco Bertorello e Loic Venance / AFP
Marco Bertorello e Loic Venance / AFP

Fiat Chrysler retira proposta de fusão com a Renault

Os dois representantes da Nissan no conselho da Renault não davam seu aval para o negócio

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2019 | 21h00

A Fiat Chrysler retirou nesta quarta-feira, 6, uma proposta de fusão com a Renault, após a Nissan, parceira da montadora francesa, recusar-se a apoiar a ideia. A Fiat disse que continua "firmemente convencida" da racionalidade da proposta, mas que "as condições políticas na França não existem atualmente" para que a ideia seja bem-sucedida.

Os dois representantes da Nissan no conselho da Renault não davam seu aval para o negócio, enquanto outros integrantes preparavam-se para votar a favor da fusão de US$ 40 bilhões, de acordo com fontes ligadas ao assunto. As abstenções planejadas geravam dúvidas sobre o compromisso da Nissan em preservar a aliança, caso a fusão siga adiante, complementaram elas.

O governo da França disse na quarta-feira, 5, que não aprovaria a proposta de fusão com a Fiat Chrysler caso a Nissan não garantisse que a aliança de décadas com a Renault seguiria em vigor. O Estado francês pediu mais prazo para a votação sobre o tema, o que levou a Fiat a retirar sua proposta. 

Por meio de nota, o Grupo Renault expressou "desapontamento por não ter a oportunidade de prosseguir com a proposta da Fiat Crhysler". "Estamos satisfeitos com a abordagem construtiva da Nissan e expressamos nossos agradecimentos à Fiat Chrysler por seus esforços e também ao conselho de administração da Renault por sua contínua confiança", informa o texto.

"Nós vemos a oportunidade como oportuna, tendo uma lógica industrial convincente e grandes méritos financeiros, que poderia resultar em uma potência automotiva global com base na Europa. Além disso, acreditamos que isto enfatiza a atratividade da Renault e da Aliança", completa a nota. 

Tudo o que sabemos sobre:
FiatRenaultNissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.