Fiat indenizará morte por defeito em assento

A Fiat Automóveis S. A. pagará indenização por danos morais e materiais à viúva e filhas pela morte de Cláudio Modiano em acidente de automóvel ocorrido em 1993, conforme decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Pelo laudo da perícia, a morte aconteceu devido a um defeito de fabricação do banco do motorista. O valor total ainda será apurado.Cláudio Modiano morreu em um acidente ocorrido em 3 de outubro de 1993, na altura do km 30 da rodovia 124-RJ, no trecho Araruama-Rio Bonito, no Rio de Janeiro. O carro que dirigia foi projetado para fora da pista quando Modiano tentou desviar de um ciclista, que atravessou a pista imprudentemente. No momento do acidente estavam no carro a esposa Maria Elisa Cesário Alvim Modiano, e as filhas Fernanda Cesário Alvim Modiano e Roberta Cesário Alvim Modiano, que sofreram escoriações. Cláudio Modiano morreu porque o acidente provocou o desprendimento do apoio da cabeça, o que resultou em fratura na base do crânio.O valor total da indenização ainda será calculado. Por enquanto, a título de danos morais, a Fiat pagará 400 salários mínimos (R$ 80 mil) a cada uma das autoras da ação (esposa e duas filhas), custas e despesas com as perícias e honorários advocatícios em 10% do valor da condenação. A Fiat recorreu, mas o STJ manteve as decisões anteriores favoráveis à família do falecido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.