Fiat quer três anos para unificação do IPI

O superintendente da Fiat, Gianni Coda, defendeu hoje o prazo mínimo de três anos para a entrada em vigor de uma possível unificação das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos veículos. Esta foi a primeira vez que o superintendente da Fiat mencionou o prazo desde o início das negociações, em fevereiro, entre as montadoras e o governo federal para a unificação das alíquotas do tributo. O IPI hoje é de 10% para os veículos populares e de 25% para os demais modelos. A nova alíquota ainda está sendo discutida, mas deve ficar entre 14% e 16%. A unificação do imposto elevaria o preço dos carros populares e diminuiria o preço dos veículos de médio porte e de luxo. Com isso, espera-se uma queda das venda dos carros populares. A Fiat é líder de vendas no País há quatro meses, tendo como principais produtos os veículos populares e, por isso, é uma das principais opositoras às mudanças.Na outra ponta, montadoras como Ford e General Motors sugerem que a mudança deve ser feita em, no máximo, dois anos. Saiba mais sobre o assunto nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.