Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Fiat vai investir R$ 5 bi em Minas

Recursos irão para a ampliação da fábrica em Betim; empresa também vai investir R$ 1 bi em São Paulo

Christiane Samarco, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

A Fiat vai investir R$ 5 bilhões em Minas Gerais no período de 2008 a 2010. O anúncio foi feito ontem ao governador do Estado, Aécio Neves (PSDB), pelo presidente mundial da Fiat, Sergio Marchionne. Os dois se reuniram no escritório da representação do governo mineiro em Brasília, onde Marchionne chegou acompanhado do presidente da Fiat para a América Latina, Cledorvino Belini. Depois, os executivos também se reuniram, no Palácio do Planalto, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Os investimentos em Minas irão para a ampliação das fábricas da Fiat em Betim, que produz automóveis, e da Iveco, em Sete Lagoas, que produz caminhões e tratores. No caso da fábrica de Betim, o plano é passar das atuais 720 mil unidades para 1 milhão de unidades por ano até 2010. Além desses R$ 5 bilhões, Marchionne também anunciou investimentos de R$ 1 bilhão na reativação da fábrica da Case, produtora de máquinas agrícolas, em Sorocaba (SP). Outros R$ 400 milhões irão para a fábrica de automóveis em Córdoba, na Argentina.Segundo Aécio Neves, os investimentos em Minas devem criar cerca de 5,5 mil novos empregos. Ele lembrou que os planos da empresa incluem, também, um projeto de atração de novos fornecedores para o entorno das fábricas. "Esse é o maior investimento que o grupo está fazendo no mundo", disse o governador. Segundo ele, a planta de Betim já era a de maior produtividade do grupo e agora se transforma, efetivamente, na maior planta do Grupo Fiat no mundo.Marchionne disse que Minas concentra, hoje, o maior número de estabelecimentos e o maior volume de atividades do grupo Fiat no Brasil. A Fiat Automóveis de Betim é responsável pela maior produção da marca em um único estabelecimento. Nesse mesmo complexo industrial funcionam ainda a Comau, de automação e manutenção industrial, e a FTP Powertrain Technologies, que produz motores e transmissões.De acordo com o governador mineiro, os novos investimentos começam a ser implementados em Minas depois de quase um ano de tentativas e negociações. "Isso é muito importante, porque em época de dificuldades, em época de crise, são essas as plantas mais sólidas as que sobrevivem. Portanto, isso dá uma grande tranqüilidade", explicou.Aécio também considera "extremamente importante" a decisão do grupo de inaugurar um centro de inteligência, de engenharia do Grupo Iveco em Sete Lagoas. "Isso significa que a Fiat vem não apenas com sua estrutura de fabricação de carros, mas com a inteligência do grupo sendo transferida para Minas Gerais." Na conversa com o governador, Marchionne se disse impressionado não só com a situação do País, mas especialmente do Estado. "Não tenho visto um desenvolvimento econômico como vi agora no Brasil", disse o presidente da Fiat.Sem falar em cifras, ele explicou que, além da expansão da Fiat Automóveis de Betim e da Iveco, estão previstos recursos para expandir a FTP Powertrain Technologies em Betim e Sete Lagoas; a Teksid, em Betim, que já é a maior produtora de peças fundidas para a indústria automotiva; a fábrica da CNH, em Contagem, e a Magneti Marelli, que produz sistemas de iluminação automotiva e escapamentos em Contagem e Lavras. O Brasil é o maior mercado da Fiat fora da Itália, e representa cerca de 30% das vendas de automóveis da montadora no mundo. Até setembro, a empresa vendeu 508 mil automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e tratores no País.A Fiat chegou ao Brasil em 1950 (embora produtos da empresa já fossem importados desde 1930), e inaugurou a fábrica de Betim em 1976. Desde então, estima-se que a Fiat já investiu US$ 10 bilhões em ativos fixos no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.