finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fibria vê viabilidade em alta de preços de celulose em outubro, diz Citi

Analistas do Citi afirmaram que a produtora de celulose Fibria espera que a implementação de um aumento de preços anunciado para outubro seja bem sucedida, após participarem de evento com a administração da empresa em São Paulo.

REUTERS

17 de setembro de 2014 | 12h33

A Fibria anunciou um aumento de preços globais de celulose branqueada de eucalipto a partir de 1o de outubro. A companhia informou à Reuters que elevará os preços para 750 dólares por tonelada na Europa, 840 dólares por tonelada nos Estados Unidos e 640 dólares por tonelada na Ásia.

Segundo os analistas Juan Tavarez e Felipe Koh, do Citi, o diretor-comercial da Fibria, Henri Philippe van Keer, espera que a melhor demanda sazonal e o fechamento recente de capacidades de produção no mercado permitam a implementação bem sucedida do aumento, de cerca de 20 dólares por tonelada.

"A demanda de clientes por descontos continua a se intensificar com a recente adição de oferta, mas os descontos não estão mostrando uma mudança significativa no curto prazo", escreveram em relatório divulgado a clientes nesta quarta-feira.

A ação da Fibria começou a subir com força no início de setembro, antes mesmo de a empresa confirmar a alta de preços, com investidores encorajados pela perspectiva de um aumento após a Ence, líder europeia na produção de celulose de eucalipto, anunciar o fechamento de capacidade produtiva no complexo industrial de Huelva.

Em setembro, a ação da companhia acumula valorização de cerca de 11 por cento na Bovespa.

Na ocasião da divulgação do resultado trimestral em julho, a Fibria afirmou que via chance de aumento de preços até o final do ano, uma vez que os valores do insumo teriam chegado ao "fundo do poço".

Os analistas do Citi acrescentaram que o presidente-executivo da Fibria, Marcelo Castelli, continua a apontar preferência pelo crescimento via fusões e aquisições, mas que a fonte mais visível de crescimento atualmente permanece sendo o projeto de expansão em sua fábrica de Três Lagoas (MS).

"No entanto, uma decisão sobre Três Lagoas II foi adiada conforme a Fibria aguarda propostas de equipamentos de fornecedores", escreveram.

(Por Priscila Jordão)

Tudo o que sabemos sobre:
PAPELFIBRIACITI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.