Fiesp anuncia, mas não realiza manifesto de apoio a Eike Batista

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) não realizou o ato de apoio ao empresário Eike Batista, cuja empresa EBX está sendo expulsa da Bolívia. Hoje, a entidade divulgou comunicado à imprensa informando que Batista participaria, hoje, do Fórum Empresarial Brasil-Paraguai, na sede da Fiesp, onde, na presença do ministro Luiz Fernando Furlan, receberia a solidariedade da entidade que, ao mesmo tempo, cobraria "de Brasília uma atitude firme quanto à proteção dos investimentos brasileiros na Bolívia". O comunicado dizia, ainda, que o ministro Furlan falaria sobre a questão em seu discurso na abertura do Fórum. Eike Batista, de fato, participou da abertura do evento. Mas a única menção ao problema foi feito pelo diretor do Departamento de Comércio Exterior, Roberto Giannetti da Fonseca, que lembrou que o comportamento do governo boliviano pode causar insegurança aos empresários interessados em investir no Exterior. O próprio presidente da Fiesp, Paulo Skaf, só chegou ao final do evento, não mencionou o tema em seu discurso e, questionado pela imprensa, disse que não tem detalhes sobre o caso da EBX na Bolívia e que vai se encontrar na semana que vem com Batista para se entender "mais profundamente" o assunto. Por enquanto, o presidente da Fiesp disse que só poderia defender o direito de propriedade e o cumprimento de contratos para qualquer empresa brasileira no Exterior. "Qualquer arbitrariedade nos preocupa", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.