Fiesp avalia que exportações puxam o emprego industrial

A diretora de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Clarice Messer, avalia que a melhora do nível de emprego industrial da indústria paulista em setembro é resultado do "extraordinário" desempenho das exportações. "O lado interessante das exportações é o sentimento de que esse comportamento veio para ficar. Um fator que extrapolou nossas expectativas", comentou.Ela destacou, por exemplo, o setor de máquinas que, em setembro, registrou crescimento de 0,62% no nível de emprego ante agosto e, no acumulado dos nove primeiros meses do ano, soma alta de 2,76% em relação a igual período de 2002. "A performance do setor de máquinas está diretamente ligada à exportação do agronegócio", indicou.Outro setor fortalecido pelas exportações é o de congelados e supercongelados. Em setembro, houve um aumento de 1,69% no nível de emprego na comparação com agosto. No período de janeiro a setembro, se comparado com mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 15,72%. "Esse segmento é fortemente ligado às exportações agrícolas, de suco de laranja em especial", explicou.Aumento de produção antes de contrataçãoAntes de pensar em contratação no último trimestre do ano, como indicou a "Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação" divulgada na semana passada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), os empresários paulistas darão prioridade ao aumento da produtividade da mão-de-obra que já detêm. "Quem já produz, intensifica sua estrutura, eleva as horas extras e só depois pensa em contratação", disse Clarice Messer. Segundo ela, conforme a "Sondagem", 21% das empresas informaram que contratariam no último trimestre do ano, enquanto 18% disseram que demitiriam. Em termos de produção, 41% estimaram aumento, ao passo que 24% indicaram diminuição. Ela informou ainda que as indústrias passaram por intenso processo de automação nos últimos anos, além da qualificação profissional dos seus trabalhadores, o que abre espaço para ganhos de produtividade com eventual expansão de consumo do mercado doméstico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.