Fiesp: com alta do juro, BC pode precipitar recessão

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) acredita que o Banco Central "errou novamente" ao decidir, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom), por um novo aumento de 0,50 ponto porcentual da taxa Selic. "O aumento dos juros continuará dificultando a retomada da economia, que se encontra em um quadro letárgico", diz Paulo Skaf, presidente da entidade.

AE, Agencia Estado

28 de agosto de 2013 | 20h57

"A economia brasileira está parando e, com essa medida, o Banco Central pode precipitar uma recessão, gerando desemprego e redução de renda", alerta o dirigente, ao defender maior controle de gastos do governo e menos aperto monetário. Segundo ele, a indústria vai crescer menos de 2% em 2013 e não conseguirá compensar a retração de 2,5% verificada em 2012. Ele destaca ainda que o comércio também está perdendo fôlego, pois cresceu 3,7% na primeira metade deste ano, quase metade dos 7% de alta registrada no mesmo período do ano passado. "E o volume de criação de empregos do Caged registrou o pior julho desde 2003. Não é hora de subir os juros", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
CopomFiesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.