Fiesp critica veto à desoneração da cesta básica

Entidade lamenta o veto da presidente Dilma à desoneração e afirma que medida atinge 70% das famílias que gastam mais de 30% da renda para comprar alimentos 

Agência Estado

18 de setembro de 2012 | 13h30

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) lamentou nesta terça-feira o veto da presidente Dilma Rousseff à desoneração dos alimentos que compõem a cesta básica. Para o presidente da entidade, Paulo Skaf, que assina nota distribuída à imprensa, a medida atinge 70% das famílias que, segundo a Fiesp, utilizam mais de 30% da sua renda para a compra de alimentos.

Para a Fiesp, a presidente deixa de dar o exemplo aos Estados ao não desonerar os tributos que dependem exclusivamente do ato do Executivo federal. "Reconhecemos que o governo está no rumo certo quando anuncia desonerações na folha de pagamento de vários setores e veta as modificações no conceito de receita bruta que reduziriam o efeito dessas desonerações, mas erra ao não aliviar os alimentos da cesta básica", afirmou Skaf, na nota.

Dilma sancionou a Lei 12.715, mas reprovou o item relativo à cesta básica, alegando que "a efetiva desoneração da cesta básica deve levar em conta tributos federais e também estaduais, assim como a geração de créditos tributários ao longo da cadeia produtiva". Na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União, a presidente criou um grupo de trabalho para fazer uma nova proposta de desoneração da cesta básica.

Tudo o que sabemos sobre:
vetoalimentoscesta básicaFiesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.