finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fiesp, CUT e Força contra os juros

Empresários e sindicalistas se reuniram para 'abraçar' o BC, mas os tapumes impediram ação

ANNE WARTH, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2011 | 03h04

Num momento em que economistas esperam uma redução da taxa básica de juros, representantes de empresários e de trabalhadores se uniram ontem para pressionar o Comitê de Política Monetária (Copom) a reduzir a Selic. O ato, promovido na capital paulista, teve a participação de integrantes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Força Sindical, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre, considerou que os juros altos afastam o investimento produtivo: "Quem ganha com isso são os especuladores".

As grandes estrelas da manifestação, contudo, foram o presidente da Força Sindical, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Ao público, formado em sua maioria por sindicalistas, o deputado disse que a vida dos brasileiros tem sido decidida por "oito burocratas". O presidente da Fiesp, abraçado a uma bandeira do Brasil, iniciou o seu discurso chamando os sindicalistas de "companheiros". "Não podemos mais permitir que haja essa especulação financeira, esse cassino", afirmou.

Na saída do hotel, onde o grupo se reuniu, até o prédio do Banco Central em São Paulo - na Avenida Paulista -, houve muita confusão entre os manifestantes. Eles interromperam completamente o fluxo de veículos da Avenida Paulista, em direção ao Paraíso, por cerca de dez minutos. Na chegada ao BC, o abraço simbólico ao edifício, uma forma de pressionar pela redução dos juros, não aconteceu. O prédio, em reformas, estava cercado por tapumes.

O economista Yoshiaki Nakano, da FGV de São Paulo, disse identificar "sinais importantes de mudança na condução da política monetária".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.