Fiesp diz que, se governo não atrapalhar, País cresce 4%

O diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Claudio Vaz, afirmou hoje que "basta o governo não atrapalhar para que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 4% neste ano." Segundo ele, as exportações contribuirão, sozinhas, com um crescimento de 1,5% do PIB. Além disso, a economia terá um crescimento inercial da ordem de 1%. E também, em ano de eleições, como este, os orçamentos públicos para obras costumam ser mais vigorosos. "Sem que nada seja feito, já temos um crescimento econômico garantido de 2,5%. Basta o governo não atrapalhar, que chegaremos aos 4%", reiterou. A definição de "atrapalhar", nesse caso, é manter as taxas de juros no patamar atual. Quanto aos preços praticados pela indústria, o diretor da Fiesp disse que não há aumentos generalizados. O que se vê, de acordo com Vaz, é a tensão provocada pela alta dos preços de algumas commodities internacionais nos setores de mineração e metalurgia, e mesmo na agropecuária. Mas, segundo ele, essa pressão se dilui ao longo das cadeias produtivas e não atinge o consumidor final.

Agencia Estado,

04 Março 2004 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.