Divulgação/Gerdau
Divulgação/Gerdau

Fiesp inicia projeto-piloto para incentivar a reciclagem veicular

Programa reúne organizações e empresas privadas que reaproveitam componentes de veículos; ideia é reciclar 500 carros por mês a partir do início de 2021

Marina Aragão, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2020 | 12h00

Sucata e ferro-velho são expressões que têm perdido a força quando pensamos nos veículos em fim de vida útil. A tomada de consciência sobre o meio ambiente fez com que um tema entrasse na pauta de setores do ramo: a reciclagem veicular. De acordo com o estudo Brasil pós-Covid-19, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a criação de uma indústria como essa poderia auxiliar na recuperação da economia nacional. A estimativa é de que existe potencial para o Brasil começar a movimentar US$ 7,5 bilhões em até dois anos com o aproveitamento de peças de veículos antigos.

Pensando nisso, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) reuniu, em um evento nesta quarta-feira, 9, organizações privadas que utilizam peças e componentes de veículos nos seus processos para apresentar um projeto-piloto de reciclagem. A princípio, o programa pretende reciclar cerca de 500 carros por mês já a partir de janeiro ou fevereiro do próximo ano. Os componentes serão desmembrados e cada organização será responsável por dar um destino útil para eles. O presidente do Conselho Superior do Meio Ambiente da Fiesp, Eduardo San Martin, explicou que as organizações escolhidas já têm um trabalho na reciclagem veicular. A ideia, agora, é “juntar tudo”.

Os materiais serão retirados de um único lugar: os veículos que a siderúrgica Gerdau já adquire nos leilões do Departamento de Trânsito de São Paulo (Detran-SP). De acordo com a companhia, que utiliza o metal das carcaças para produção de aço, "os custos são divididos [entre as organizações] conforme os materiais a ser reciclados". Em paralelo, a Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip) vai cuidar dos pneus velhos; as baterias automotivas ficarão sob cuidados do Instituto Brasileiro de Energia Reciclável (Iber); sobre os óleos lubrificantes, o Sindicato Nacional da Indústria do Rerrefino de Óleos Minerais (Sindirrefino) congrega operadores credenciados para recuperação dos materiais usados; por fim, o Grupo Solví fará a reciclagem dos catalisadores.

A gestora de Contas da Gerdau, Graziela Grando, explicou que a companhia já tem um programa de reciclagem da carcaça de veículos, reaproveitando 11 milhões de toneladas de sucata ferrosa anualmente. O processo é dividido em quatro etapas: a separação dos materiais - e destinação dos outros componentes para as entidades parceiras -; o empacotamento; a trituração, com utilização de um equipamento chamado de Shredder, capaz de processar 220 carros por hora; e, por fim, a industrialização

Na última, o material reutilizado abastece os fornos da indústria, juntamente com outros insumos, para produzir o aço. “Finalizando o ciclo, temos a nossa linha de produtos, que atende os mercados da construção civil, agropecuária e também o setor automotivo”, disse Graziela. Na oportunidade, a empresa ressaltou que irá “avaliar individualmente cada oportunidade, assegurando todas as garantias ambientais e de compliance”. “Cada organização será responsável pela reciclagem de seus materiais específicos, buscando a garantia de 100% dos materiais presentes no veículo sucateado”, acrescentou o gerente de Metálicos, Leonardo Fernandes.

O Iber, um dos parceiros no projeto, por exemplo, vai atuar na interlocução com diversas empresas para apoiar a gestão da logística reversa nas baterias automotivas. O processo tem início com a participação dos consumidores, por meio da entrega das baterias sem uso em pontos de entrega. Os comerciantes varejistas as recebem e armazenam. Os distribuidores, fabricantes e importadores efetuam a coleta periódica das baterias, atestando o recebimento por meio de comprovantes, e transportam os produtos até o local onde serão reciclados.

“O Iber decidiu participar desse trabalho pois parte de sua responsabilidade consiste na rastreabilidade e garantia de movimentação e destinação ambientalmente adequada das baterias”, disse a diretora-executiva do instituto, Amanda Schneider. O chumbo de uma bateria velha pode ser reutilizado na confecção de uma nova.

O presidente do Conselho Superior do Meio Ambiente da Fiesp acrescentou que o projeto pretende ampliar consideravelmente o contingente de veículos reciclados, focando, principalmente, naqueles que estão parados nos pátios do Detran. E reforçou que a proposta está em aberto porque alguns componentes ainda não foram contemplados. De acordo com ele, a Fiesp está em busca de setores que possam reciclar materiais como vidros, couros, plásticos e extintores de incêndio, por exemplo. De acordo com ele, 95% dos componentes veiculares podem ser reaproveitados, e a meta é essa.

Justificativas da reciclagem veicular

Com mais de 58 milhões de carros em circulação no País e uma idade média de 15,2 anos, de acordo com o Anuário 2019 da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a iniciativa vem como uma tentativa de solução para prolongar a vida útil desses recursos não renováveis. Eduardo San Martin, da Fiesp, cita benefícios como a redução da poluição atmosférica, diminuição dos acidentes de trânsitogeração de empregos.

Para ilustrar, automóveis antigos - aqueles com 18 anos já começam a ser reciclados na Europa - e em más condições de uso contribuem para acidentes, que geram cerca de 40 mil óbitos e custam aproximadamente R$ 200 bilhões/ano ao Brasil, de acordo com o Ipea. Além disso, estima-se que, apenas no Estado de São Paulo, 15 mil pessoas morram por ano devido à poluição atmosférica - e o maior vilão para a má qualidade do ar são esses veículos que emitem gases altamente tóxicos.

Além disso, carros abandonados nas ruas acabam se transformando em espaços de transmissão de mosquitos como o Aedes aegypti, vetor da dengue, zika e chikungunya. Outros permanecem em pátios dos Detrans, espaços alugados que requerem manutenção, o que significa mais gastos para os cofres públicos.

Eduardo San Martin explicou que, com a reciclagem veicular, tudo isso será reduzido. E acrescentou a possibilidade de ampliação do número de empregos tanto nas organizações que fazem parte do processo de reciclagem veicular quanto nas de produção automotiva, voltadas, principalmente, para a confecção de carros novos. “Temos aí um potencial fantástico.”

‘Motivação social’

Antes de propor a iniciativa, San Martin explicou que visitou países da Europa, como Holanda, Alemanha e Bélgica, que já têm um sistema de reciclagem veicular consolidado. Com um imposto que aumenta à medida que o carro envelhece, os moradores desses países se sentem obrigados a dispensar seus carros para o reaproveitamento, já que o custo-benefício deixa de ser viável.

“Aqui nós não consideramos a hipótese de punir. A nossa ideia é que as pessoas sejam incentivadas a encaminhar o seu carro para a reciclagem”, disse. De acordo com ele, isso se daria se houvesse “uma eliminação total ou redução significativa dos impostos incidentes nos carros 0 km”. Nesse caso, o carro velho seria parte do pagamento e o novo sairia por um preço bem menor.

Utilizando as justificativas sobre gastos e prejuízos provocados pelos veículos antigos na saúde e no trânsito, o executivo informou que a Fiesp tentou diálogo com o setor público, nas esferas municipal, estadual e federal, ao longo de quase um ano, mas não obteve retorno. A intenção da federação com o projeto, explicou, é “mostrar para a sociedade que é possível fazer reciclagem de veículos. Há uma possibilidade de que, com as pessoas informadas, haja pressão sobre os setores públicos”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.