Fiesp lança manual de negociações internacionais

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) lançou hoje o "Manual de Negociações Internacionais", no formato de 65 perguntas e respostas. O presidente da entidade, Horácio Lafer Piva, afirmou que o objetivo da cartilha é informar as bases empresariais brasileiras que buscam esclarecimentos iniciais sobre temas básicos do comércio e das negociações internacionais, como Alca, Organização Mundial do Comércio (OMC), Mercosul e acordo Mercosul/União Européia. O manual, cuja tiragem inicial será de 10 mil exemplares, é voltado para iniciantes e iniciados na área externa, e será distribuído aos associados da Fiesp e a sindicatos empresariais. "É preciso que haja unidade de pensamento para evitar negociações a quaisquer termos. Já pagamos caro por outras decisões intempestivas", afirmou o presidente da Fiesp. Piva disse que ainda há muitos empresários que consideram a criação da Área de Livre Comércio das Américas prejudicial para o Brasil. Mas admitiu que, dependendo do que sair da negociação, o acordo podeser muito benéfico para o País. "Afinal, os Estados Unidos são o principal mercado consumidor do mundo", destacou. Maurice Costin, diretor do Departamento de Comércio Exterior da Fiesp, destacou que o País tem plenas condições de competir na Alca, com destaque para têxteis, calçados e aço.Piva admitiu que a conscientização do setor privado em relação à Alca e à Organização Mundial do Comércio foi tardia, mas descartou que os empresários estejam imobilizados. Pelo menos 50% das ofertas iniciais feitas pelo Brasil nas negociações da Alca foram demandas da indústria paulista. "A cada dia, mais segmentos da indústria se incorporam às discussões, canalizadas pela Coalizão Empresarial", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.