Fiesp: nível de atividade sobe 1,7% no 1º trimestre

O diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Francini, disse hoje que o nível de atividade do setor aumentou 1,7% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o quarto trimestre de 2010. De acordo com ele, esse resultado mostra de forma mais exata o desempenho da indústria do que a variação acumulada nos três primeiros meses deste ano em relação ao primeiro trimestre de 2010, cuja alta foi de 4,4%. "A comparação entre o primeiro trimestre deste ano e o quarto trimestre do ano passado mostra que houve certa recuperação na atividade industrial, nada eufórica ou fantástica, mas de qualquer forma é uma recuperação", afirmou Francini.

ANNE WARTH, Agencia Estado

28 de abril de 2011 | 13h56

De acordo com ele, a variação acumulada nos três primeiros meses do ano foi influenciada pelo carnaval, que neste ano foi em março. "O efeito estatístico acaba influenciando os indicadores, apesar da dessazonalização", explicou o diretor da Fiesp. No mês passado, por causa do carnaval, os indicadores de horas pagas e horas trabalhadas na produção, além do salário real médio, registraram quedas de, respectivamente, 0,4%, 0,4% e 0,3%. Já o total de vendas nominais e reais apresentaram altas de, respectivamente, 1,4% e 1,9%. "Apesar do crescimento, o desempenho já foi menor do que nos últimos meses, o que mostra que a indústria está diminuindo seu ritmo", disse.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) da indústria paulista continua "em patamares bastante folgados". Em março, com o ajuste sazonal, o Nuci ficou em 83,2% - ou seja, com queda em relação aos 83,6% de fevereiro. Entre os setores nos quais a Fiesp realiza a pesquisa, o destaque foi o crescimento do Nuci da área de coque, refino de petróleo, combustíveis nucleares e produtos de álcool, cujo Nuci atingiu 98,6% em março contra 85,6% em fevereiro.

O crescimento foi influenciado pela antecipação da fase de moagem da cana-de-açúcar pelas usinas. Apesar disso, o aumento foi bem menor do que o registrado de fevereiro para março de 2010, quando o Nuci saiu 50,8% para 87,1%. De acordo com Francini, a diferença é que, neste ano, algumas usinas anteciparam a etapa de moagem já no mês de fevereiro e, no ano passado, a maioria concentrou essa atividade em março. Isso pode ser observado pela variação do nível de atividade do segmento, que aumentou bem menos do que o Nuci em março na comparação com fevereiro (3,7% sem ajuste e -0,7% com ajuste).

Outros destaques do mês foram os setores de veículos automotores, artigos de borracha e plástico e máquinas e equipamentos. O Indicador do Nível da Atividade (INA) do segmento de veículos automotores registrou queda de 2,6% em março ante fevereiro com ajuste. "O setor está sentindo o impacto das medidas macroprudenciais. A média diária de concessões de crédito para compra de veículos para pessoa física caiu 32,7% em março na comparação com novembro de 2010", disse Francini. Já o setor de artigos de borracha e plástico registrou um crescimento acima de média da indústria em março (0,6%) em comparação com fevereiro, com ajuste. Francini explicou que o setor foi influenciado pelas vendas de caminhões, que foram retomadas em março com a renovação do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), do governo federal.

Outro segmento influenciado pela retomada do programa foi o de máquinas e equipamentos, cujo INA aumentou 3,6% em março na comparação com fevereiro, com ajuste. Os destaques foram as vendas de máquinas para a indústria de madeira, alimentos e bebidas e plástico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.