Fiesp prevê ano bom em abertura de postos de trabalho

O diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Walter Sacca, disse hoje que o saldo positivo de 12 mil empregos criados pela indústria paulista em janeiro dá indícios de que o ano de 2010 será bom em termos de abertura de postos de trabalho. "O ano de 2010 começa com cara de um ano bom, como 2007 e 2008. Tudo indica que haverá continuidade nesse quadro de criação de vagas", afirmou. A Fiesp prevê que o nível de emprego encerre o ano com crescimento de 6,3%. "Janeiro confirma na prática o que estamos prevendo na teoria para este ano."

ANNE WARTH, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 16h59

Segundo Sacca, a criação de vagas será disseminada entre os diversos setores econômicos. Em janeiro, dos 22 setores nos quais a Fiesp divide a indústria para fazer a pesquisa, 17 contrataram, dois demitiram e três mantiveram seu quadro estável. O diretor citou como exemplo a construção civil, cuja demanda por insumos puxou o crescimento de 1,7% no nível de emprego do setor de produtos de madeira. "No ano passado, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) formou 38 mil trabalhadores para a construção civil. Neste ano, serão 60 mil, e o setor está reclamando que é pouco", disse.

Outro destaque citado por Sacca foi o segmento de máquinas e equipamentos que, depois de meses de demissões motivadas pela crise, contratou 2.158 empregados no Estado em janeiro, resultado superado apenas pelo setor de veículos automotores, que criou 2.627 postos de trabalho. As indústrias de produtos de plástico e borracha e de produtos de metal também tiveram resultados significativos, com a criação de 2.116 e 1.504 empregos, respectivamente.

Os dois únicos setores que demitiram trabalhadores em janeiro foram produtos alimentícios, que dispensou 1.878 pessoas, e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com 953 demissões. Segundo Sacca, até a indústria ligada à produção de álcool, que está em período de entressafra, demitiu menos do que o esperado pela indústria. A queda no mês foi de 3,3% no nível de emprego, mas já chegou a -15% em anos anteriores. Segundo a Fiesp, o início do plantio da cana deve aumentar o ritmo de contratações no setor em março e abril.

Tudo o que sabemos sobre:
indústria, emprego, Fiesp, trabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.