Fiesp prevê recuperação com juro menor e política industrial

O diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Claudio Vaz, afirmou que a retomada da atividade econômica voltada ao mercado interno depende da conjunção entre queda significativa de juros, a implementação da agenda positiva e concretização da política industrial, anunciada hoje pelo governo. Para o empresário, esses três elementos colocados em prática trarão resultados palpáveis na economia em cerca de noventa dias. "É por isso que ainda não achamos que o ano está perdido. Basta fazer essas três coisas", ressaltou. Vaz qualificou como um "bom começo" a Política Industrial divulgada hoje pelo governo. Para ele, o principal mérito do anúncio foi designar o montante de recursos (R$ 14,5 bilhões não-orçamentários) que serão utilizados para conduzir a nova política. "A alocação de verba mostra que a vontade política existe e que a decisão foi tomada. Basta torná-la operacional", frisou. O diretor da Fiesp também destacou do discurso do ministro Luiz Fernando Furlan o anúncio de que a burocracia desnecessária será eliminada em várias áreas do governo. "A falta de articulação burocrática em Brasília é um dos impeditivos para a implementação da agenda positiva", disse, ao ser questionado sobre os entraves ao crescimento econômico. Vaz, forte defensor da inclusão de outros setores na política industrial, além dos quatro anunciados por Brasília, espera que o Conselho de Desenvolvimento Econômico anunciado no âmbito da Política Industrial abra espaço para o debate de ampliação das medidas para outras áreas da economia.

Agencia Estado,

31 Março 2004 | 17h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.