carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Fiesp protesta contra aumento da tarifa do gás em São Paulo

Presidente da Federação das Indústrias do Estado afirma que reajuste é 'ruim para São Paulo e para o Brasil'

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

22 de dezembro de 2008 | 16h11

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, protestou contra a decisão da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) de autorizar o reajuste extraordinário das tarifas de gás natural cobradas pela Comgás. "O aumento do preço do gás natural é ruim para São Paulo e para o Brasil", afirmou, em nota enviada à imprensa. Veja também:Arsesp autoriza reajustes de até 24,8% no preço do gás em SP "Com a queda no preço do barril de petróleo de US$ 150 para menos de US$ 40, deveria haver boa vontade da Petrobras, criando condições que evitassem a necessidade de aumento neste momento tão inoportuno. É lamentável", criticou. A Fiesp acredita que diversos setores produtivos serão afetados fortemente, "causando dificuldades às empresas e desemprego, em momento já tão complicado da economia". "Agora precisamos de medidas compensatórias a esses setores para evitar maiores prejuízos à nação", pediu Skaf. Segundo informou a Arsesp, o aumento será exclusivo para os segmentos industrial, comercial e veicular. Na classe industrial, o aumento foi de 10,25% para clientes com faixa de consumo de 10 mil metros cúbicos por mês, de 14,67% para a faixa de 100 mil m³/mês e de 17,56% para a faixa de 500 mil m³/mês. No segmento comercial, a alta foi de 6,29% para a faixa de consumo de 100 m³/mês e 7,76% para a faixa de 1 mil m³/mês. Para o gás natural veicular (GNV), o incremento concedido foi de 22,17%.

Tudo o que sabemos sobre:
Gás NaturalIndústriaFiespConsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.